Liberdade

Novembros negros e a Educação na Bahia

Novembros negros e a Educação na Bahia

A canção Me abraça e me beija, de Gileno Felix e Lazzo Matumbi diz: “Vem vem, dia 20 de novembro / Se todo dia é dia santo meu bem…”. A cada novembro no Brasil desde a necessária atuação dos movimentos negros a partir dos anos setenta se comemora o dia da Consciência negra, como uma lembrança da data em que morreu Zumbi dos Palmares, em 1695, numa emboscada contra a força do Quilombo dos Palmares, onde ele era um líder. Na Bahia, pensar o mês de novembro como um marco referencial para a luta antirracista é mais que uma obrigação de calendário. É uma obrigação de cidadania, de liberdade e de autonomia dos sujeitos. Nas escolas, desde que a Lei[…]

História da Independência x Subjetividades Humanas

Olá, galera! Você sabia como se deu a construção do processo de independência, organização e formação do estado brasileiro? Que iniciou-se com duas revoltas ocorridas no Brasil fortemente influenciada por movimentos contrários ao julgo imposto pela colonização portuguesa? As que foram mais expressivas que defendiam o rompimento do pacto colonial brasileiro: uma ocorrera em Minas Gerais (1789), a CONJURAÇÃO MINEIRA; e, a outra na Bahia (1798), Conjuração Baiana. Portanto, as exigências portuguesas e a falta de vontade pelo crescimento da economia interna aceleravam a inconformidade de mineiros e baianos ao ponto de os levarem a se rebelar contra o domínio lusitano. Então, como se deu esse processo? É preciso relembrar a história das Revoluções Burguesas que ocorreram no mundo cujos[…]

Luiz Gama, um baiano cheio de ideais

 A breve biografia de Luiz Gama, escrita por Myriam Fraga, em 2005, dentro da coleção “A luta de cada um”, da Biblioteca Afro-Brasileira, da editora Pallas, é um convite saboroso para conhecer um dos homens mais importantes da nossa história, sobretudo quando se fala da luta abolicionista. Filho da quitandeira Luiza Mahin, africana de origem nagô, e de um fidalgo português, Luiz Gonzaga Pinto da Gama nasceu em Salvador, em 21 de junho de 1830. Luiza, embora fosse livre, participava ativamente de levante de escravos na cidade e nos arredores. Dentre as rebeliões de que participou, a mais famosa foi a Revolta dos Malês. Os malês eram escravos muçulmanos que não se conformavam com o cativeiro e sempre tentavam fugir[…]

[Censurado] O papel da imprensa no Brasil – O Pasquim

Olá, pessoal! Existiu um período na história do Brasil, que os(as) filhos(as) deste solo, viveram apreensivos(as), com os rumos políticos e sociais que abruptamente estavam sendo submetidos(as) – estamos falando da Ditadura ou Regime Militar, instituída em abril de 1964, prosseguindo até 1985. Vozes e vontades foram aprisionadas pelo medo da repressão física, moral e intelectual. O pensar e o agir eram permeados pela restrição da liberdade, onde até mesmo situações em que duas pessoas conversando na rua poderia representar perigo ou conspiração contra o governo vigente e essas em muitos casos sofreram violentas punições e, algumas, jamais retornaram aos seus lares. Nesse contexto, o processo democrático foi sumariamente negligenciado, assim como a comunicação crítica, a literatura, a música ou[…]

Graffiti: a arte nas ruas – Expressão e liberdade!

Olá, amig@s! Nas grandes cidades, torna-se cada dia mais difícil apreciar belas paisagens ao longo do caminho que percorremos. Seja no trajeto para o trabalho ou em direção à escola, somos bombardeados com um turbilhão de informações e publicidades, que tentam moldar a nossa interpretação sobre a vida. Deste modo, a expressividade contida em cada um de nós, vai dando lugar ao silêncio e embrutecimento, divagando o nosso olhar do que é belo, sobre o que é arte e o quanto esta tem valor em nosso cotidiano e na relação com o mundo. Mas é possível, em meio a tudo isso, romper determinadas amarras e conceitos, contemplar e promover arte urbana, poesia e expressão – com um spray na mão[…]

Documentário Janelas do Curuzu estreia em novembro no Cine Teatro do Irdeb/TV Educativa da Bahia

Como se sente um aluno negro ou afrodescendente que — ao abrir o seu livro didático, não se vê ali representado? Essa é uma das reflexões propostas pelo curtametragem Janelas do Curuzu, com argumento da jornalista e videomaker Isana Pontes, que estreia no dia 28 de novembro, às 19h30, no Cine Teatro do Irdeb, com entrada franca para convidados, imprensa e instituições de educação. O documentário foi patrocinado por edital de concurso de 2009 para apoio a três projetos de curtametragens de realizadores baianos, numa concorrência que movimentou 44 participantes. Tem o apoio financeiro do Irdeb e das secretarias estaduais da Fazenda, da Cultura e da Comunicação (por meio do Fundo de Cultura da Bahia). O cenário do filme é[…]

9ª Dica: Professor Web fala sobre software livre

Olá amigos e amigas! A dica de hoje é sobre Software Livre. Vocês sabem o que é software livre? Um software livre é um programa de computador que obedece às quatro liberdades de software, pois com ele vocês podem usar, estudar, modificar e distribuir as modificações dos programas livremente. A liberdade para executar o programa, para qualquer propósito (liberdade n.º 0); A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades (liberdade n.º 1). Acesso ao código-fonte é um pré-requisito para esta liberdade; A liberdade de redistribuir, inclusive vender, cópias de modo que você possa ajudar ao seu próximo (liberdade n.º 2); A liberdade de modificar o programa, e liberar estas modificações, de modo que toda[…]

Nossos Colaboradores