Negritude

Resenha PW: Áfricas no Brasil

Resenha PW: Áfricas no Brasil

Oi! Tudo bem? Estamos no mês de novembro e, neste período do ano, todas as nossas publicações abordam aspectos da História e Cultura Africana. Assim, fortalecemos as ações do projeto Novembro Negro, que acontece em todo o estado. Em 2003, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a Lei 10.639, que obriga a inclusão da temática da História e Cultura Afro-Brasileira no currículo oficial da Rede de Ensino. Na instituição em que você estuda, os professores já estão implementando a Lei? E você, educador, tem encontrado bons materiais para levar a discussão para a sala de aula? O livro Áfricas no Brasil, de Kelly Cristina Araujo, é um bom começo para isso. Publicada no mesmo ano de sanção da lei, a obra[…]

TRIBUTO LUIZ GAMA – ANO II

Êa, turma! “Quem é bode, berra!” Fazendo referência ao poema “Quem sou eu?” – mais conhecido como “Bodarrada”, de 1859 – o público era convidado a participar das atividades do Tributo Luiz Gama que, em seu segundo ano, homenageia o escritor, jornalista e advogado baiano, uma das mais atuantes e combativas personalidades brasileiras engajadas nas lutas contra a escravidão no Brasil, conhecidas como Campanha Abolicionista. Isso porque “bode” era um dos apelidos dispensados aos(às) que, como Gama, eram negros(as), na tentativa de ridicularizá-los(as). A ação, que aconteceu no último domingo, 26/08, na praça que leva o nome do homenageado – localidade conhecida como Largo do Tanque, no bairro da Liberdade – apresentou um resumo da vida e da obra do[…]

Negritude, História e Polêmicas – Quarto dia da Flica

A Festa Literária continua pelas ruas de Cachoeira. Estudantes de todas as idades participaram das diversas atividades promovidas pela Flica, no Conjunto do Carmo, no Centro Histórico. A mesa matutina, mediada pelo diretor teatral e ex-Secretário da Cultura da Bahia Márcio Meirelles, foi emocionante. A juíza Luislinda Valois empolgou a plateia com seu discurso afirmativo e consciente da importância da luta por melhores condições para os afrodescendentes: “O negro já nasceu condenado. Para que isso mude, ele precisa lutar com a força que tem para que os governantes melhorem a sua condição de vida. Vamos buscar o que é nosso. Esse é o nosso dever”. O historiador Joel Rufino dos Santos considerou que, em nossa sociedade, existem muitas contradições, sendo[…]

Nossos Colaboradores