Temas Transversais

Das naus aos dias atuais

Quando os europeus vieram em suas naus1 adentrar as terras desconhecidas da América, eles não sabiam o que estavam prestes a descobrir.  Buscavam um novo caminho para a Índia e suas rotas eram semelhantes. A Espanha e o Portugal da época da grande expansão marítima eram as potências mundiais. Dominavam a ciência e a tecnologia2 homologaolvida por diversos sábios de outros povos (especialmente astrônomos, matemáticos e cartógrafos) e tinham um investimento alto numa política de expansão, extração de riquezas e colonização. Os portugueses eram mais flexíveis que os espanhóis quanto à religião destes sábios. Muitos dos conselheiros que D. João II reuniu para homologaolver os conhecimentos náuticos eram, em sua maioria, sábios judeus expulsos da Espanha em 1492. Se hoje em[…]

Abril Indígena na UFBA

Desde o início de abril, a Universidade Federal da Bahia está promovendo o evento Abril Indígena na UFBA. Na programação, oficinas, mostra de filmes, mesas e rodas de conversa. Veja a agenda para os próximos dias e programe-se! ||AGENDA|| Mesa Movimento Indígena na Bahia, com Aruã Pataxó e Uilton Tuxá. Mediação: Kâhu Pataxó, 23/4, às 14h. Exposição Tonã – ritual da preservação | Sarau Minha Aldeia é o Mundo – Declamação das poesias vencedoras do I concurso de poesia Abril Indígena, 23/4, às 16h. Local: Museu de Arqueologia e Etnologia da UFBA _____________ Mostra de filme II: Quando os Yãmiy vêm dançar conosco| Palestra Políticas Culturais e Povos Indígenas: diálogos interculturais, com Marina Vieira, 24/4, às 9h30 Roda de conversa com Mulheres[…]

Os Índios ou Povos Indígenas?

Os Índios ou Povos Indígenas?

Você usa a expressão  “os Índios” para se referir aos povos indígenas? Saiba que o uso desse termo não está correto e reflete uma visão carregada de preconceito. As culturas indígenas são múltiplas, portanto, não existem expressões culturais singulares que possam identificar todas as etnias indígenas. Dizer “os índios” significa reduzir as culturas indígenas a um bloco único, essa atitude reflete uma visão estereotipada de povos, que são caracterizados, exatamente, pela diversidade de suas culturas. No episódio “Povos indígenas“, do programa Intervalo, vemos que cada grupo étnico indígena  apresenta características específicas, também aprendemos que eles são sujeitos contemporâneos, que vivem de acordo com as mudanças propostas pela sociedade. Assim, existem povos que vivem mais próximos ao litoral e assimilaram alguns[…]

Cine PW – Produção de Panela de Barro

Por: Fátima Coelho Olá, Já sabemos que o mês de abril é dedicado aos Povos Indígenas. Sendo assim, o vídeo que foi realizado em Salgado, município de Andorinha / Bahia, na Associação Mãe Arte D’arte do Salgado, uma associação ligada à cultura e à arte, trará D. Orzelita, nos dias de hoje, confeccionando suas panelas de barro. Orzelita da Silva Roxa, artesã, utiliza expressões características da região, para exemplificar a feitura desta arte milenar…  descreve, didática e minuciosamente, cada etapa: bater o barro, molhar, peneirar a areia, confeccionar as peças, partindo de várias “tirinhas” e unindo-as umas com as outras. Utiliza “capuco” 2 para unificar as tiras, “coiteba” (feito de cabaça) para alisar o objeto que está sendo produzido e, por fim,[…]

Acervo Multimídia das Línguas Indígenas da Amazônia

Um acervo multimídia disponível para estudantes, professores e pesquisadores interessados em conhecer um pouco mais sobre a história e cultura dos indígenas. Esse é o predicado de um sujeito chamado Museu Paraense Emílio Goeldi. A instituição é vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Foi fundada em 1866 e, desde então, realiza pesquisas científicas. Emílio Goeldi era zoólogo de origem suíça, viveu uma época no Brasil e publicou trabalhos relacionados à questão racial, à relação entre natureza e cultura e  à etnologia. No site do acervo digital, é possível encontrar um vasto material sobre a diversidade linguística e cultural da Amazônia brasileira e também sobre outras práticas culturais. O acervo é constituído de textos, filmagens, músicas, gravações de áudio,[…]

Índio!

Olá! Especialmente neste mês de abril, estamos discorrendo sobre a história e a cultura dos Povos Indígenas. Deixo o poema abaixo para sua leitura e descoberta do enredo nele contido. Qualquer dificuldade, clique no link abaixo e conheça o significado das palavras.   Índio!   No fiapo de uberaba, poti pula de animação Homem grande e jururu, na cabeça seu ujá Leva seu bocó no ombro,atravessa paraná Fica preso na tijuca, ele quer pegar pirá   Homem sergipe, avista ré! Avista membira descendo morumbi Grita alto,pede ajuda,movimenta sua ubá Ubá grande,da tijuca, homem quer se livrar.   Ré desce o Tatuapé, fumando seu kaoki Encontra membira kugnatim Juntam o povo para um motirõ. Homem grande apreensivo espanta Grajaú.   Sente[…]

LSKB e Índios Surdos

Português, Libras, japonês, francês, inglês ou alemão. Qual dessas línguas você conhece? E a LSKB? (Língua de Sinais Urubu-Kaapor). Ainda não? Então vão aí algumas informações: LSKB é a língua de sinais criada e utilizada cotidianamente pela tribo indígena Urubu-Kaapor que, para @s não índi@s, existe há mais de trezentos anos. O antropólogo e ex-senador Darcy Ribeiro homologaolveu estudos com essa tribo, a partir de 1949, evidenciando um histórico pouco amistoso entre @s kaapor e não índios, muitas vezes relacionado à demarcação do território indígena em relação a posseir@s, madeireir@s e outr@s. Kaapor, que em tupi-guarani significa povo da mata (ka’a= povo e por= mata) é considerado um dos povos muito resistentes à aculturação. Esses indivíduos concentram-se ao sul do[…]

Diversidade Humana: ontem, hoje e sempre!

Olá ! Vamos bater um papo sobre DIVERSIDADE HUMANA, tema presente nos relatos entre os povos da antiguidade que apontavam as diferenças, notadas entre si e os demais integrantes de outros grupos humanos,como excêntricas, exóticas, esquisitas e intoleráveis. Para alguns, a diferença podia causar espanto, admiração. Em outros, podia ser motivo para aproximação ou severa repulsa. Na contemporaneidade tais relatos e discussões continuam. Atualmente, “causar na diversidade” ainda pode ser visto como problema e não como valor. É comum um olhar preconceituoso à “diversidade” que a desapropria de beleza e a submete à discriminação? Em pleno século XXI, é possível afirmar que a “barbárie” está presente em crimes homofóbicos, violência contra mulher, conflitos geracionais, desrespeito aos novos arranjos familiares e[…]

O Brasilmática dos impostos

O Brasilmática dos impostos Segundo o ‘Dicionário informal’, a palavra “impávido” do nosso hino nacional se refere ao povo corajoso, destemido; enquanto que “colosso” significa algo de grande dimensão, em referência ao território brasileiro. Todavia, a expressão “impávido colosso” poderia muito bem expressar o quanto o brasileiro precisa ser corajoso para aguentar as altas taxas de impostos, nosso assunto de hoje! Imposto (um tipo de tributo) é uma cobrança obrigatória determinada pelo tribuno (antiga Roma). São valores pagos em moeda nacional, que incidem sobre a renda (salários, lucros, ganhos de capitais) e patrimônios (terrenos, casas, carros, etc.) das pessoas físicas e jurídicas. O valor é arrecadado pelos governos (municipal, estadual e federal) e devem custear os gastos públicos com saúde,[…]

Cine PW: Samba Riachão

O documentário Samba Riachão (2001), de Jorge Alfredo, é uma obra bastante significativa para quem quer saber e entender um pouco sobre a história do samba, principalmente o da Bahia. Ao colocar o sambista Riachão como protagonista, o cineasta produziu uma narrativa em que fica evidente o quanto Clementino Rodrigues, verdadeiro nome de Riachão, se confunde com o samba. E vice-versa. O nome do documentário já evidencia isso. É como se Jorge batizasse uma vertente do samba como sendo “Riachão”, para contrapor à samba-canção, samba de roda, samba-reggae e etc. Por isso, não há vírgula no título. O “Riachão”, no caso, não é vocativo; é adjetivo. Ou seja, o nome do filme não remete a um comando para que Riachão[…]

Nossos Colaboradores