Sociologia

Carolina Maria de Jesus: da favela para o mundo

O ano era 1958 e o jornalista Audálio Dantas tinha ido até a favela do Canindé, em São Paulo, para fazer um registro do cotidiano dos seus moradores. Carolina de Jesus, mulher negra, catadora de papel, já há algum tempo procurava alguém que publicasse os seus escritos. Ao saber da presença do jornalista na favela, convidou-o a ler algumas linhas que escrevera nos cadernos que encontrava no lixo. O encantamento de Audálio foi imediato. Rapidamente, percebeu que ninguém melhor que Carolina para contar sobre as mazelas daquele lugar. Em 1960, quando o livro Quarto de despejo foi lançado, vendeu mais de 100.000 cópias, batendo todos os recordes editorias para a época. Traduzido em 13 línguas, o livro foi vendido em[…]

Maria Felipa – A heroína negra esquecida

Maria Felipa –  A heroína negra esquecida

Olá, pessoal! Quem aporta nas praias da Ilha de Itaparica, localizada na Baía de Todos os Santos, talvez nem possa imaginar que naquelas areias percorreu bravamente a figura que teve papel crucial nas lutas pela Independência da Bahia. Contrariando a conjuntura de sua época, que, às mulheres, sobretudo às mulheres negras, eram destinados servis papéis de subordinação na sociedade, Maria Felipa de Oliveira fez palco na história e atuou bravamente na liderança de seu território em busca de melhores tempos para o seu povo. Diferentemente de mulheres que atuaram nas disputas que culminaram no 2 de julho, a exemplo de Maria Quitéria e Joana Angélica, a guerreira itaparicana teve o seu nome diminuído na história oficial e foi relegada ao[…]

20 de Novembro: "Eu sou negão/Eu sou negão/Meu coração/É a liberdade!"

“Ter o 20 de novembro como data oficial é uma forma de luta já em nível nacional, daqueles que, com amargura, sofrem em bela pele escura discriminação racial. […] Que as várias etnias convivam em fraternidade, a beleza do país está na diversidade; convivamos como iguais, mas que o negro jamais perca a sua identidade”. Oi,  pessoal! Somos todos da mesma espécie! Somos todos iguais! Somos todos negros! Fonte: www.rizomas.net/ Vou falar do legado histórico de uma pessoa que nasceu na mesma cidade em que eu nasci. Foi em União dos Palmares, cidade localizada no interior de Alagoas, sinônimo de “União, Luta, Liberdade, Resistência e Enfretamento” devido a Zumbi dos Palmares, o mais legítimo guerreiro de resistência negra que nasceu[…]

AFRObetizando: abadá ou abatá?

Imagem: http://outraspalavras.net Axé, mano! Hã? Calma, xará! Falta pouco! Carnaval está chegando! A propósito, já comprou seu abadá? Nem só de português vive o português! Se você é tagarela, então vamos bater um papo! Você sabia que, muito do que falamos tem sua origem em línguas africanas e falamos “africanglês”? Talvez, nem precise andar com um dicionário na mochila! Pra ninguém mangar de você e achar que você é um babaca, é melhor se informar! E se alguém te chamar de dengoso, ligue não! Só não dê uma de nenê! Você não precisa mais de nenhuma babá. Também não vale xingar, ficar ranzinza ou se encher de cachaça! Anda meio borocoxô? Está com calundu porque não achou ainda um xodó?[…]

Amanhã é dia de branco?

Era uma vez… Veja o que ele fez. Ou melhor, o que ainda faz! Inicio aqui minha provocação: será que não vivemos o apartheid social no nosso estado, no nosso país? Para começo de conversa, o apartheid é uma palavra oriunda do africânder apartheid, que significa “separação” em africano. Apartheid foi um regime segregacionista e separatista da África do Sul, que deixou marcas ao longo da história. Ele negava, rigorosamente, os direitos sociais, econômicos e políticos dos negros, que eram controlados por uma minoria branca de europeus ( holandeses e ingleses). O regime vigorou até 1994. Um dos principais ícones na luta contra o apartheid foi Nelson Mandela. No Brasil, muito se lutou e se luta pelos direitos e oportunidades[…]

Vamos contar um conto?

Vamos contar um conto?

O episódio em questão do quadro Ser professor, do programa Intervalo, fala sobre a arte de contar um conto. Neste episódio, apresentaremos o projeto da professora Gilbene Esquivel – O prazer do conto. O projeto consiste na utilização da literatura de cordel como ferramenta cultural e identitária para o ensino de história. A professora Gilbene Esquivel leciona no Colégio Estadual Germano Machado Neto, localizado no bairro de Marechal Rondon. Ela realiza um trabalho que alia os conteúdos de história à poesia, utilizando como metodologia o cordel como instrumento de ensino e aprendizagem. Esse trabalho se inicia com oficinas, ministradas pela arte-educadora Gilbene Esquivel, com duração de 10 horas: 4 horas para o ensino do cordel, 2 horas para conhecerem a[…]

Seja rosa! Não provoque!

Você já notou que em nossa cidade, nesse mês de outubro, alguns monumentos, viadutos, etc. ,estão iluminados na cor rosa? Você sabe o porquê disso? Certamente que sim. Mas se não sabe, vai aí uma dica: trata-se do “Outubro Rosa”. Assim como a fitinha vermelha simboliza a campanha anti-HIV, a cor rosa foi escolhida para simbolizar a luta contra o câncer de mama. Fitinhas coloridas de rosa foram distribuídas durante uma corrida que ocorreu nos Estados Unidos, no ano de 1990. Foi a partir daí que o “Outubro Rosa” teve início, com o objetivo de conscientizar sobre o câncer de mama.                     O Outubro Rosa, a Campanha Rosa, Fundação Laço Rosa,[…]

Poeta e Poetisa, encantos de rimas!

Olá, galera! Hoje é o Dia do Poeta! Aqui no Brasil, no dia 20 de outubro, celebra-se o Dia Nacional do Poeta! O Dia Mundial da Poesia é comemorado no dia 21 de março. São duas datas distintas, porém o seus objetos de celebração estão imbricados: a primeira data celebra o autor da obra- O Poeta! A segunda, a obra do autor – A Poesia ! Fernando Pessoa: o Poeta definindo o Poeta! Pura poesia! A poesia é a “arte de escrever em versos”,também considerada uma das sete artes tradicionais. Traz sentimentos, pensamentos e ideias que brotam da sensibilidade do poeta e nos inundam, fazendo-nos transbordar de emoções ! Surpresa! A poesia e o ENEM! Não deixe que o ENEM[…]

História da Independência x Subjetividades Humanas

Olá, galera! Você sabia como se deu a construção do processo de independência, organização e formação do estado brasileiro? Que iniciou-se com duas revoltas ocorridas no Brasil fortemente influenciada por movimentos contrários ao julgo imposto pela colonização portuguesa? As que foram mais expressivas que defendiam o rompimento do pacto colonial brasileiro: uma ocorrera em Minas Gerais (1789), a CONJURAÇÃO MINEIRA; e, a outra na Bahia (1798), Conjuração Baiana. Portanto, as exigências portuguesas e a falta de vontade pelo crescimento da economia interna aceleravam a inconformidade de mineiros e baianos ao ponto de os levarem a se rebelar contra o domínio lusitano. Então, como se deu esse processo? É preciso relembrar a história das Revoluções Burguesas que ocorreram no mundo cujos[…]

Ser Professor: Urânia Viana

Ser Professor: Urânia Viana

Fala, galerinha! O episódio em destaque de hoje, do quadro Ser professor, do programa Intervalo, fala de literatura e música. Apresentaremos o projeto da Professora Urânia Vianna – De onde vêm…Grandes Ideias? As muitas faces de Vinícius de Moraes. A professora Urânia é uma inovadora no que se refere à metodologia de projetos. Professora do Colégio Estadual Rotary, localizado no bairro artístico de Itapuã, Urânia propõe a prática de leitura e criação de trovas e cordéis, com o objetivo de familiarizar o aluno do 1º. Ano do Ensino Médio com a arte da poesia, bem como estabelecer ligação com a poesia medieval portuguesa. O projeto tem como foco a criação de trovas e cordéis a partir da leitura e estudo[…]

Nossos Colaboradores