Pluralidade Cultural

Salvador: uma mistura de tudo um pouco!

Por Telma Gonçalves* Fundada em 1549, Salvador foi a sede do poder político e econômico da Coroa portuguesa no Brasil por mais de 200 anos. Mesmo quando a capital do reino do Brasil foi deslocada para o Rio de Janeiro, em 1763, Salvador continuou sendo um importante entreposto comercial do Império Português em que o fumo, a cachaça e o açúcar eram escoados para as mãos de traficantes de escravos que utilizavam essas mercadorias para comprar africanos na costa ocidental e centro-ocidental da África. O porto da Bahia, localizado ainda hoje na Cidade Baixa tornou-se conhecido como o porto do Brasil, como se na extensa faixa marítima da conquista portuguesa na América não houvesse outros. Um vai e vem de gente[…]

Cine PW: Samba Riachão

O documentário Samba Riachão (2001), de Jorge Alfredo, é uma obra bastante significativa para quem quer saber e entender um pouco sobre a história do samba, principalmente o da Bahia. Ao colocar o sambista Riachão como protagonista, o cineasta produziu uma narrativa em que fica evidente o quanto Clementino Rodrigues, verdadeiro nome de Riachão, se confunde com o samba. E vice-versa. O nome do documentário já evidencia isso. É como se Jorge batizasse uma vertente do samba como sendo “Riachão”, para contrapor à samba-canção, samba de roda, samba-reggae e etc. Por isso, não há vírgula no título. O “Riachão”, no caso, não é vocativo; é adjetivo. Ou seja, o nome do filme não remete a um comando para que Riachão[…]

Tenda Digital – Lugar de Diversidade

A banda Brutos e Sensíveis foi uma das atrações do 2º dia  da Tenda Digital. Esse grande projeto que tem como objetivo mostrar a diversidade com a qual convivemos dia após dia. Através desse projeto, estudantes e professores mostraram os seus talentos como: dança, música e teatro. A Tenda Digital, com grandes misturas culturais, possibilitou o conhecimento e entretenimento para todos que estiveram nos dias do 3º Encontro Estudantil, apresentando grandes taletos baianos que um dia poderão ganhar o mundo, provando que a Bahia é uma lugar que tem taleto e cultura. Segundo professor Yuri Wanderley, coordernador da Rede Anísio Texeira, a Tenda Digital é um espaço interativo, aberto no qual os estudantes e professores são protagonista deste projeto: “Fico[…]

Aprenda a tocar um instrumento e ganhe um cérebro saudável!

Você toca violão, teclado ou qualquer outro instrumento musical? Saiba que este é o tipo de atividade que pode ser a mais saudável para o homologaolvimento do seu cérebro. Ao ouvir uma musica, várias áreas do seu cérebro são ativadas. Mas quando você toca um instrumento, a atividade torna-se  um exercício para o seu cérebro inteiro! Com isso acontece? Para entender, assista ao vídeo disponibilizado no link : https://www.youtube.com/watch?v=R0JKCYZ8hng. (ative as legendas em português, ou, se preferir, pratique seu inglês!) No vídeo, são citadas algumas pesquisas que mostram como neurocientistas comparam a atividade de tocar um instrumento musical como uma “queima de fogos” na atividade cerebral. Para realizar esse diagnóstico, os neurocientistas usam a Ressonância Magnética Funcional (fMRI) e a[…]

II Seminário de Educação e Tecnologia: como foi o segundo dia

A sessão de compartilhamentos abriu as discussões do segundo dia do II Seminário de Educação e Tecnologia. Professoras e professores da rede estadual de ensino apresentaram aos participantes os trabalhos que homologaolveram em suas respectivas unidades escolares, com o auxílio das tecnologias digitais. Cristine Pires, do Colégio Estadual Professor Aristides de Souza Oliveira, falou sobre o Aristides em Ação; Atonio Vilas Boas, do Colégio Estadual de Conceição do Jacuípe, defendeu Outras Linguagens no Ensino de História; Rejane Ramos, do Colégio Estadual José Antônio de Almeida, apresentou o Movidos pela História. Logo após, formou-se a mesa Tecnologias Assistivas e Robótica Livre na Educação, com Patrícia Magris (do projeto Robótica Pedagógica Livre) e Marcos da Paz (do Guarux). Patrícia falou da relação[…]

Cine PW: 5X Favela – agora por nós mesmos

Salve, salve, galera! “Você já viu a favela dos bandidos. Você já viu a favela dos policiais. Agora você vai ver a favela dos moradores.” Hoje, o Cine PW vai apresentar uma obra, aliás, uma não, cinco obras que compõem o filme “5X Favela – agora por nós mesmos“. O audiovisual faz uma referência ao longa-metragem de 1962 – “Cinco Vezes Favela“, dirigido por Miguel Borges, Joaquim Pedro de Andrade, Carlos Diegues, Marcos Farias e Leon Hirszman, que abordou as problemáticas e dificuldades enfrentados por moradores de bairro populares do Rio de Janeiro. O filme mostra a visão de diretores que moraram ou moram em favelas do Rio sobre a mesma temática e conta com o apoio de organizações socioculturais[…]

Cine PW: Pajerama

Salve, salve, galera! Neste mês de abril, focamos nossas conversas nas questões que envolvem os povos indígenas, suas histórias, culturas e lutas. Foi um mês em que também compartilhamos conteúdos de autoria dos próprios indígenas, como textos, filmes e músicas. Além disso, contamos com o site temático “Culturas Indígenas”, que está disponível para consulta. Hoje, vamos indicar um curta-metragem em 3D chamado “Pajerama”. Trata-se da obra do diretor e criador Leonardo Cardaval, cuja história ilustra o contraste do encontro entre a realidade de sociedades industriais com as culturas indígenas. Na trama, que dispensa diálogos, o protagonista é um jovem indígena que vivencia experiências atemporais, descontínuas e entrelaçadas. O jovem encontra em sua caminhada elementos que revelam o quanto o homologaolvimento[…]

Juventudes indígenas e o Ensino Superior

Olá, pessoal! Reforçando nossas abordagens sobre a Cultura e Historia dos Povos Indígenas, falaremos sobre a realidade de jovens indígenas que se distanciam de suas comunidades para prosseguir com os estudos. A maioria precisa migrar para lugares distantes de suas aldeias, como algumas metrópoles, a fim de aprimorar a própria formação. É importante entender que esses jovens indígenas vão em busca da complementação dos estudos no intuito de adquirir outros conhecimentos para aplicarem em suas aldeias. Nesse sentido, potencializam seus enfrentamentos na luta contra a extinção das próprias histórias, culturas e saberes tradicionais. Na Bahia, segundo os dados publicados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, em 2010, 1.355 pessoas indígenas completaram o Ensino Superior e 7.350 ainda[…]

Radiola PW – Somos Tupinambá

Olá, galera esperta! O Radiola PW indica hoje a música “Somos Tupinambá”. A canção, vencedora do FACE (Festival Anual da Canção Estudantil) de 2012, foi escrita por Lucas Santos Nascimento e Carlos Alberto Pereira de Araújo Júnior, de 13 e 12 anos, respectivamente. Oriundos do Colégio Estadual Indígena Tupinambá de Olivença – Ilhéus/Ba, esses dois jovens compositores reiteram em “Somos Tupinambá” a etnia indígena a qual pertencem. Uma letra que dialoga com a atual situação dos povos indígenas e os conflitos que os circundam. O videoclipe da música foi produzido pelo coletivo Oca Digital, através de uma oficina ministrada pelo videodocumentarista Glauber Xavier. As culturas indígenas estão há mais de cinco séculos lutando contra hegemonias que já passaram pelas monarquias[…]

Escrito na pele

Olá, pessoal! Tudo bem? Uma das características mais evidentes entre os povos indígenas é o uso de pinturas pelo corpo. Essas pinturas são parte da identificação e representação cultural de cada povo. Elas são carregadas de valores simbólicos e representativos, que se distinguem de uma cultura para outra. Entretanto, é possível relacioná-las à atualização e manutenção da cultura, evitando a extinção de seus valores. Será que as pinturas dos povos indígenas têm apenas significados estéticos? O que elas representam? O grafismo, como é chamada a pintura sobre o corpo, pode expressar uma série de informações sobre rituais, sistemas de hierarquias, tempos de caça, pesca ou coleta, atribuições dos indivíduos, encerramento ou iniciação numa determinada fase da vida, obrigações e etc.[…]

Nossos Colaboradores