Ciências Humanas e suas Tecnologias

Resenha PW: Afro-Brasil em Cordel, de Nezite Alencar

“‘ – O que sabemos da África?’” boa pergunta foi feita porque a nossa visão sobre a África é muito estreita ou melhor, manipulada, distorcida e deformada, mas até agora ‘aceita’. A lei enfim determina que seja a África estudada. É justa, é necessária e também muito acertada. A visão colonialista, tão injusta e elitista tem de ser desmacarada”. As duas estrofes acima abrem o excelente livro Afro-Brasil em Cordel, de Nezite Alencar, escritora e historiadora cearense. Publicada pela primeira vez em 2007, a obra é toda escrita em literatura de cordel e traz informações eslcarecedoras sobre a história da África e dos negros no Brasil. Com um tom crítico na medida certa, Nezite fala sobre o preconceito que existe[…]

O Novembro Negro e a Nossa Consciência

É novembro, mês da Consciência Negra. Nessa data, algumas pessoas costumam questionar: para quê isso? O Brasil é mestiço, somos humanos, vivemos em uma democracia racial etc. Todas essas retaliações têm como fundo a intenção de diminuir a importância do dia 20 de novembro e mascarar a realidade: o Brasil é um país desigual, com uma sociedade  profundamente hierarquizada e os negros ocupam a posição mais inferior.  A verdade é que muitos gostariam que os negros continuassem na condição de subalternos e se incomodam com o fervor e a vigilância comemorativa do mês de novembro. A consciência negra precisa ser permanentemente vivificada, a pobreza no Brasil tem cor e incide sobre a população negra, de tal forma que pobre e[…]

Racismo no Mercado de Trabalho

A 2ª edição da Mostra de Vídeo Estudantil (MOVE), promovida pela Secretaria Municipal da Educação de Camaçari, escolheu o filme Racismo no Mercado de Trabalho como o vencedor de 2015. O curta foi roteirizado e dirigido pela estudante Nadiellen Santos de Melo, 11 anos, que cursa o 6º ano na Escola Municipal Sônia Regina de Souza. A pedido do Blog do Professor Web e da Professora Online, Nadiellen enviou um relato explicando o que motivou a escolha do tema abordado na produção: “No processo de construção do nosso vídeo, os grupos envolvidos discutiram muitos temas interessantes. Na minha sala, falamos de violência doméstica, violência contra a mulher, racismo e preconceito. O nosso roteiro falava do preconceito no mercado de trabalho,[…]

Amanhã é dia de branco?

Era uma vez… Veja o que ele fez. Ou melhor, o que ainda faz! Inicio aqui minha provocação: será que não vivemos o apartheid social no nosso estado, no nosso país? Para começo de conversa, o apartheid é uma palavra oriunda do africânder apartheid, que significa “separação” em africano. Apartheid foi um regime segregacionista e separatista da África do Sul, que deixou marcas ao longo da história. Ele negava, rigorosamente, os direitos sociais, econômicos e políticos dos negros, que eram controlados por uma minoria branca de europeus ( holandeses e ingleses). O regime vigorou até 1994. Um dos principais ícones na luta contra o apartheid foi Nelson Mandela. No Brasil, muito se lutou e se luta pelos direitos e oportunidades[…]

Novembro Negro em pauta

Como vocês já sabem, em novembro, o blog dedica todas as suas postagens para tratar de temáticas que envolvem a história e cultura africana. Isso porque, 20 de novembro é o Dia Nacional da Consciência Negra, dia em que se homenageia a memória de Zumbi dos Palmares e toda a luta do povo negro ao longo da história. A Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi) realizará uma série de atividades, em Salvador e em outras cidades baianas, para marcar o Novembro Negro. A abertura será na próxima sexta, 6 de novembro, no Museu de Arte da Bahia (que fica no Corredor da Vitória, em Salvador), a partir das 18h. Falar de negritude é falar da formação do povo brasileiro,[…]

Vamos contar um conto?

Vamos contar um conto?

O episódio em questão do quadro Ser professor, do programa Intervalo, fala sobre a arte de contar um conto. Neste episódio, apresentaremos o projeto da professora Gilbene Esquivel – O prazer do conto. O projeto consiste na utilização da literatura de cordel como ferramenta cultural e identitária para o ensino de história. A professora Gilbene Esquivel leciona no Colégio Estadual Germano Machado Neto, localizado no bairro de Marechal Rondon. Ela realiza um trabalho que alia os conteúdos de história à poesia, utilizando como metodologia o cordel como instrumento de ensino e aprendizagem. Esse trabalho se inicia com oficinas, ministradas pela arte-educadora Gilbene Esquivel, com duração de 10 horas: 4 horas para o ensino do cordel, 2 horas para conhecerem a[…]

Seja rosa! Não provoque!

Você já notou que em nossa cidade, nesse mês de outubro, alguns monumentos, viadutos, etc. ,estão iluminados na cor rosa? Você sabe o porquê disso? Certamente que sim. Mas se não sabe, vai aí uma dica: trata-se do “Outubro Rosa”. Assim como a fitinha vermelha simboliza a campanha anti-HIV, a cor rosa foi escolhida para simbolizar a luta contra o câncer de mama. Fitinhas coloridas de rosa foram distribuídas durante uma corrida que ocorreu nos Estados Unidos, no ano de 1990. Foi a partir daí que o “Outubro Rosa” teve início, com o objetivo de conscientizar sobre o câncer de mama.                     O Outubro Rosa, a Campanha Rosa, Fundação Laço Rosa,[…]

Cemiterada: revolta popular contra a reforma higienista na Bahia oitocentista

No dia 25 de outubro de 1836, uma multidão de quase quatro mil pessoas, lideradas pelas irmandades religiosas, se reuniu para protestar contra a lei que proibia os enterros no interior das igrejas. A partir daquele ano, um local próprio deveria abrigar os mortos: o cemitério. Para atender à nova lei, foi construído o cemitério do Campo Santo, inaugurado em 1836, cabendo sua administração ao capital privado por 30 anos. Os manifestantes se encontraram no Terreiro de Jesus, no adro da igreja da Ordem Terceira de São Domingos, e de lá se dirigiram ao Campo Santo, onde promoveram um quebra-quebra. Os médicos baianos, movidos pelas ideias higienistas que chegavam da Europa, convenceram os legisladores de Salvador da necessidade de proteger[…]

Lendo a TV

Para você, tudo que passa na TV é, de fato, verdadeiro? Quantas vezes nos deparamos com afirmações do tipo: “Claro que é verdade! Eu vi passando isso na TV”? Pois é. Interpretar de forma crítica aquilo que é veiculado numa emissora de TV é um passo importante para que a gente não se deixe levar por ideologias que, muitas vezes, estão implícitas num discurso sedutor. Se hoje, quando se fala em tela, a referência das pessoas é o celular ou o computador; no Brasil, na década de 50 do século passado, a televisão foi o principal símbolo. Por aqui, a primeira transmissão de TV aconteceu em 18 de setembro de 1950. Amanhã, portanto, faz 65 anos de presença da TV[…]

Novos desafios e exigências no mercado de trabalho

Olá! Conforme a Constituição Federal de 1988, o direito ao trabalho é assegurado como direito social fundamental. Lívia Mendes Moreira Miraglia, mestre em Direito do Trabalho,pela PUC de Minas, no seu trabalho “Em O Direito do Trabalho Como Instrumento de Efetivação da Dignidade Social da Pessoa Humana no Capitalismo”, diz que: “No que cinge ao direito ao trabalho, tem-se o direito individual subjetivo de todo homem de acesso ao mercado de trabalho e à capacidade de prover a si mesmo e à sua família,mediante seu próprio trabalho, que deve ser digno.”   Então?Acredito que você conheça a frase :“o trabalho dignifica o homem”. Mas, não seria o homem que dignifica o trabalho? O próprio trabalhador, através de sua postura ética[…]

Nossos Colaboradores