História e Cultura Africana

CENTENÁRIO DO SAMBA

Olá, galera! Entre sons e rimas, atabaques e agogôs, danças e rituais, músicas e filmes, dramaturgias e palestras, o mês de novembro vem se consolidando como o período do nosso calendário especialmente dedicado aos eventos alusivos à reflexão sobre a inserção do negro na sociedade brasileira. Tal fato está diretamente atrelado, também, ao Dia 20 de novembro “Dia Nacional da Consciência Negra”. A data é marcada pela luta contra o preconceito  no Brasil e foi instituída, criada e incluída no calendário escolar em 2003 , instituído em âmbito nacional mediante a Lei 12.519/11. São de caráter iminente: enaltecer, empoderar e posicionar a população negra em seu lugar de protagonista na nossa sociedade. Mas nem tudo são “flores”!  Vivemos num país[…]

Resenha PW: Áfricas no Brasil

Resenha PW: Áfricas no Brasil

Oi! Tudo bem? Estamos no mês de novembro e, neste período do ano, todas as nossas publicações abordam aspectos da História e Cultura Africana. Assim, fortalecemos as ações do projeto Novembro Negro, que acontece em todo o estado. Em 2003, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a Lei 10.639, que obriga a inclusão da temática da História e Cultura Afro-Brasileira no currículo oficial da Rede de Ensino. Na instituição em que você estuda, os professores já estão implementando a Lei? E você, educador, tem encontrado bons materiais para levar a discussão para a sala de aula? O livro Áfricas no Brasil, de Kelly Cristina Araujo, é um bom começo para isso. Publicada no mesmo ano de sanção da lei, a obra[…]

A África e o Comércio de Tecidos na Modernidade

Aprendemos nas escolas que no século XVIII houve profundas mudanças na estrutura de organização do trabalho. O trabalhador artesão foi substituído pelo operário na produção de manufaturas.  Este último, ao contrário do primeiro, foi destituído do conhecimento global do processo produtivo, bem como dos meios de produção, para tornar-se mão de obra subjugada ao “patrão”. Esse modelo foi exportado para diversas regiões do mundo, fazendo da Inglaterra o grande centro difusor de transformações econômicas e sociais. O objetivo era potencializar a produção, aumentando o quantitativo de tecidos para atender ao mercado externo. A indústria têxtil tornou-se, então, o carro chefe de todo esse processo. E para entendermos o porque da demanda por tecidos ter impactado tão profundamente o mercado mundial,[…]

Radiola PW: Ilê Pérola Negra

Oi! Tudo bem? Estamos no mês de novembro e, neste período do ano, todas as nossas publicações abordam aspectos da História e Cultura Africana. Assim, fortalecemos as ações do Novembro Negro, que acontece em todo o estado e será aberto oficialmente amanhã. Na Radiola PW de hoje, o destaque vai para a música Ilê Pérola Negra, dos compositores Miltão, Renê Veneno e Guiguio. A canção foi gravada pela cantora e compositora Daniela Mercury, em 2000, no CD Sol da Liberdade. Ilê Pérola Negra traz no seu discurso uma forma evidente de exaltação. Exalta a cultura negra em todos os seus aspectos: sociais, artísticos e religiosos. Os versos carregam um alerta para que toda a população perceba que a cultura negra é[…]

A “Pronta Entrega” dos Negros Escravizados na Revolta dos Búzios

A Revolta dos Búzios, também conhecida como Conjuração Baiana, foi um movimento popular, motivado pelo descontentamento da população mestiça e pobre de Salvador, com  as desigualdades sociais e as dificuldades quase intransponíveis de ascensão na carreira militar, a qual a quase totalidades dos homens presos e condenados pertenciam. Entretanto, para além do protagonismo desses setores de base da sociedade, uma elite política e econômica, apelidada de “Corporação dos Enteados”, também tomou parte neste movimento. Os objetivos de um e outro grupo, entretanto, divergiam, resultando no rompimento desta “aliança” no  momento da deflagração da revolta, em 12 de agosto de 1978. Durante as investigações para se descobrir quais as pessoas envolvidas na conjuração Baiana, 11 negros escravizados foram entregues à justiça[…]

A "Pronta Entrega" dos Negros Escravizados na Revolta dos Búzios

A Revolta dos Búzios, também conhecida como Conjuração Baiana, foi um movimento popular, motivado pelo descontentamento da população mestiça e pobre de Salvador, com  as desigualdades sociais e as dificuldades quase intransponíveis de ascensão na carreira militar, a qual a quase totalidades dos homens presos e condenados pertenciam. Entretanto, para além do protagonismo desses setores de base da sociedade, uma elite política e econômica, apelidada de “Corporação dos Enteados”, também tomou parte neste movimento. Os objetivos de um e outro grupo, entretanto, divergiam, resultando no rompimento desta “aliança” no  momento da deflagração da revolta, em 12 de agosto de 1978. Durante as investigações para se descobrir quais as pessoas envolvidas na conjuração Baiana, 11 negros escravizados foram entregues à justiça[…]

Consumo Consciente na “Terra dos Homens Íntegros”

Que tal viajarmos no tempo e no espaço para um país chamado Burkina Faso, localizado no Oeste Africano, para descobrirmos que o consumo consciente pode  nos levar a uma visão crítica da nossa realidade mais imediata, bem como do contexto mais amplo no qual estamos inseridos? O primeiro passo é localizarmos esse país no continente africano. No mapa abaixo, Burkina Faso está sinalizado de vermelho! Fig. 1 Mapa da África com destaque para Bukina Faso Até 1983, Burkina Faso se chamava República do Alto Volta. Esse pequeno país, localizado no Oeste africano e sem saída para o mar, vivia com grandes dificuldades econômicas. Parte da população não tinha o que comer. Desnutridos e sem acesso a um sistema de saúde[…]

Parabéns, Salvador!

Fig.1:Josymar Alves Tudo começou quando Tomé de Souza aqui chegou e no Porto da Barra desembarcou Rei de Portugal governador-geral o nomeou e do espaço geográfico se apossou Que beleza! Aqui a fez “cidade-fortaleza” Muitos índios, portugueses encontraram e, durante séculos marcam presença, são os Tupinambás de Olivença símbolo de luta e resistência Eis Salvador, construída com muito labor Ótima localização, a exportação impulsionou os escravos que aqui aportaram muito cultivaram do açúcar, fumo, algodão, criação de gado o Recôncavo era a região Boa não era a situação, pois havia exploração Poeta baiano quis acabar com a escravidão morreu com pouca idade mas com muita sensibilidade a essa gente falou Castro Alves, “Poeta dos Escravos”, alguém o nomeou Oh, Salvador,[…]

Capoeira, uma riqueza cultural

Olá, galera!! A Copeira é um patrimônio histórico que se expressam, ao mesmo tempo, a dança, os golpes, a brincadeira, o toque dos instrumentos, o canto, além de ser uma luta de resistência. No 4° Encontro Estudantil, acontece a Roda de Capoeira com a participação de vários agentes culturais, ligados a essas oficinas que busca a valorização de expressões artísticas e culturais afro-brasileiras. Em entrevista com o Professor Carlos Fereira, ele nos conta o valor da capoeira na educação de crianças e adolecentes: “A capoeira como ferramenta de educação homologaolve a criatividade, alegria, ritmo, coletividade, ou seja, o espirito de partilha, por isso vejo como uma grande contribuição, não só pelo lado histórico, mas também ajuda a seguir as regras[…]

Carolina Maria de Jesus: da favela para o mundo

O ano era 1958 e o jornalista Audálio Dantas tinha ido até a favela do Canindé, em São Paulo, para fazer um registro do cotidiano dos seus moradores. Carolina de Jesus, mulher negra, catadora de papel, já há algum tempo procurava alguém que publicasse os seus escritos. Ao saber da presença do jornalista na favela, convidou-o a ler algumas linhas que escrevera nos cadernos que encontrava no lixo. O encantamento de Audálio foi imediato. Rapidamente, percebeu que ninguém melhor que Carolina para contar sobre as mazelas daquele lugar. Em 1960, quando o livro Quarto de despejo foi lançado, vendeu mais de 100.000 cópias, batendo todos os recordes editorias para a época. Traduzido em 13 línguas, o livro foi vendido em[…]

Nossos Colaboradores