Antropologia

Radiola PW – Somos Tupinambá

Olá, galera esperta! O Radiola PW indica hoje a música “Somos Tupinambá”. A canção, vencedora do FACE (Festival Anual da Canção Estudantil) de 2012, foi escrita por Lucas Santos Nascimento e Carlos Alberto Pereira de Araújo Júnior, de 13 e 12 anos, respectivamente. Oriundos do Colégio Estadual Indígena Tupinambá de Olivença – Ilhéus/Ba, esses dois jovens compositores reiteram em “Somos Tupinambá” a etnia indígena a qual pertencem. Uma letra que dialoga com a atual situação dos povos indígenas e os conflitos que os circundam. O videoclipe da música foi produzido pelo coletivo Oca Digital, através de uma oficina ministrada pelo videodocumentarista Glauber Xavier. As culturas indígenas estão há mais de cinco séculos lutando contra hegemonias que já passaram pelas monarquias[…]

Radiola PW – Masculino e feminino

E aí, galera! Para iniciar o mês de março, que aborda o tema “Gêneros e Sexualidades”, o Radiola PW indica a música “Masculino e feminino”, escrita por Pepeu Gomes em parceria com Baby Consuelo e Didi Gomes. A canção pertence ao disco homônimo lançado em 1983. Pepeu Gomes é um importante músico baiano, participou da banda Novos Baianos e é uma referência nacional quando o assunto é guitarra. Em carreira solo, lançou 16 discos e em 1988 foi considerado, pela revista Guitar World, como um dos dez melhores guitarristas do mundo na categoria “world music”. A letra da música traz uma provocação sobre os paradigmas e estereótipos que envolvem os gêneros, tentando desconstruir conceitos socialmente estruturados sobre o universo do[…]

Ser-tão: Núcleo de Estudos e Pesquisas em Gênero e Sexualidade da Universidade Federal de Goiás

Oi, pessoal! Tudo bem? Como já foi divulgado aqui em outra ocasião, neste mês escolhemos a temática de gêneros e sexualidades para guiar as nossas postagens e fomentar o debate na sociedade, principalmente no ambiente escolar. Nesse sentido, hoje, a nossa dica é o site do Ser-tão, o Núcleo de Estudos e Pesquisas em Gênero e Sexualidade da Universidade Federal de Goiás (UFG). O núcleo é vinculado à Faculdade de Ciências Sociais da instituição. O que é que o Ser-tão tem O Ser-tão foi criado no final de 2006 e tem como principal objetivo promover a equidade de gênero e garantir os direitos sexuais. No site, professores, estudantes e pesquisadores vão encontrar resultados de pesquisas (e o andamento das que[…]

CINE PW: Invictus

“Uma boa cabeça e um bom coração formam sempre uma combinação formidável“ Nelson Mandela Salve, salve, galera! Hoje o  Cine PW entra no clima de homenagem a Nelson Mandela, falecido no ultimo dia cinco, trazendo a obra ‘Invictus’. O filme mostra a África do Sul no período pós Apartheid (1948 -1994); quando Nelson Mandela, presidente-eleito, reconhecendo que seu país permanece dividido racial e economicamente, resolve apoiar o time da África do Sul na Copa Mundial de Rúgbi de 1995. Acreditando ser esta uma ação capaz de unificar a população por meio da linguagem universal do esporte, levando o time a fazer uma incrível campanha até as finais da competição. [youtube=http://www.youtube.com/watch?v=211tsGoram8&w=560&h=315] Rolihlahla Madiba Mandela, foi o representante do movimento antiapartheid, considerado pelo[…]

Um conto para fazer o pensamento ir além

 O livro Nas asas da liberdade, do escritor Rogério Andrade Barbosa, apresenta uma narrativa comovente, ao contar a história de uma comunidade africana denominada “Gullah”, na qual a população tinha o poder de voar. Os negros da Gullah, que recebiam esse nome por serem oriundos da Angola,  tinham conhecimentos sobrenaturais e asas da cor do ébano. A história une fantasia e traços da realidade, principalmente quando fala de sofrimento e de escravidão. O conto de Rogério Andrade Barbosa emociona quando coloca o leitor em contato com a história de um negro idoso Gullah, que era sábio e ensinava aos mais novos uma estratégia infalível para eles se livrarem do mal (no caso, a repressão e a subserviência): voar. Invocando a[…]

ARTE AFRICANA

Olá,galera! A Arte Africana é o retratar da vida dos povos africanos, de suas sociedades. Nada é por acaso. Arte vibrante, informativa e cultural que transcende a beleza de sua estética para revelar, contar, repousar , perpetuar e sedimentar sua história.De extrema sensibilidade,é uma arte funcional e simbólica. Os africanos buscam na natureza, no elemento animal, muito de sua inspiração. Fazem um dinâmico registro de sua história representado em pintura, escultura, adorno, roupa, máscara, culinária, urna funerária, tecido,dança, etc…,exibindo elementos que representam e suscitam interpretações. A Etnografia, através de elementos plásticos e estruturais, como: simetria,horizontalidade,material usado para sua elaboração,acabamento da peça de arte,código cromático,etc…,possibilita a leitura da arte africana trazendo informações referentes a diversos aspectos de sua cultura como: A[…]

A crítica e a resistência na arte do Bando de Teatro Olodum

O Bando de Teatro Olodum foi fundado em outubro de 1990; o espetáculo Cabaré da RRRRRaça esteve envolvido numa polêmica mesmo antes de estrear;  hoje em dia, não existe nenhum vínculo entre  a banda Olodum e o Bando. Essas e outras informações estão presentes na estimulante biografia O Teatro do Bando: negro, baiano e popular, escrita pelo jornalista soteropolitano Marcos Uzel. Nela, Marcos convida o leitor a fazer um passeio por toda a trajetória do grupo criado por Márcio Meirelles e Chica Carelli. “A intenção é que sirva como um documento para a memória do teatro baiano”, é o que afirma Uzel, numas das páginas da obra, lançada em 2003. O Bando de Teatro Olodum nasceu de uma inquietação da[…]

RADIOLA PW: QUILOMBO, O ELDORADO NEGRO

https://www.youtube.com/watch?v=W75Q1NZBHVk Olá, galera esperta! Hoje é dia de Radiola PW e a música escolhida é “Quilombo, O Eldorado Negro”, do mestre da música popular brasileira, Gilberto Gil. Esse samba conta a importância do surgimento dos quilombos, enquanto um grupo ou comunidade, que trazia, além da revolução, uma nova proposta contra a estrutura hegemônica daquele momento. Gil chama o quilombo de Eldorado, que representa uma antiga lenda indígena contada aos espanhóis sobre uma cidade com construções maciças de ouro. Nesse caso, o Eldorado Negro traria a ideia de uma nova realidade aos quilombolas, juntamente com o “…clarão do sol da liberdade…”. O compositor baiano também enfatiza a luta que os quilombos tiveram de enfrentar para se manterem firmes, quando ele diz:[…]

Luiz Gama, um baiano cheio de ideais

 A breve biografia de Luiz Gama, escrita por Myriam Fraga, em 2005, dentro da coleção “A luta de cada um”, da Biblioteca Afro-Brasileira, da editora Pallas, é um convite saboroso para conhecer um dos homens mais importantes da nossa história, sobretudo quando se fala da luta abolicionista. Filho da quitandeira Luiza Mahin, africana de origem nagô, e de um fidalgo português, Luiz Gonzaga Pinto da Gama nasceu em Salvador, em 21 de junho de 1830. Luiza, embora fosse livre, participava ativamente de levante de escravos na cidade e nos arredores. Dentre as rebeliões de que participou, a mais famosa foi a Revolta dos Malês. Os malês eram escravos muçulmanos que não se conformavam com o cativeiro e sempre tentavam fugir[…]

Ser negro no Brasil hoje

O livro Ser negro no Brasil hoje, da antropóloga Ana Lúcia Valente, é uma obra interessante, que traz questionamentos contundentes para o debate em torno da situação dos negros brasileiros. Lançado em 1987, o livro discute com propriedade aspectos da cultura negra e faz com que o leitor reflita sobre a temática. Logo na introdução, Ana Lúcia provoca: “Você já pensou sobre o que é ser negro no Brasil?”. E você que está lendo este texto, já pensou? O 1º capítulo, Contextualizando a questão, traz um apanhado sobre o que é ser negro no Brasil, retoma o passado e fala do falso mito da democracia racial brasileira. Para desfazer tal ideia, Ana Lúcia propõe que o preconceito e a discriminação[…]

Nossos Colaboradores