Encontro da Literatura com a Fotografia na Cidade do Porto

Por: Joalva Moraes

Na Praça Amor de Perdição, na cidade do Porto, encontra-se o Centro Português de Fotografia (CPF). Esse espaço foi inaugurado, em 1997, pelo então Ministério da Cultura. Hoje está sob a tutela da Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas.

O CPF está instalado no prédio onde funcionava a Cadeia da Relação. O início da construção desse edifício data de 1767, tendo como autor do projeto o arquiteto lisboeta Eugenio dos Santos Carvalho e levou 30 anos para ser finalizado. É um prédio enorme e muito bonito!

São três pisos. No primeiro, estavam as enxovias: de Santa Teresa, de Santo Antônio, de São Victor, de Santa Rita, do Senhor de Matosinhos e de Santa Ana. Essas enxovias eram originalmente de granito, escuras, húmidas e frias, com acesso apenas por alçapões situados no andar superior.

No segundo piso, ficavam os salões de Nossa Senhora do Carmo e de São José e a saleta das mulheres, também espaços coletivos. No terceiro e último piso, situavam os quartos de Malta, prisões individuais para “pessoas de condição”.

Visitando esse monumento, é possível circular por essas alas, salas e saletas onde funcionava a detenção, com paredes de granito muito grossas, portas e grades de ferro enormes. Um desses quartos de Malta serviu de cárcere para o escritor português Camilo Castelo Branco, em 1860, acusado de adultério. Além do romancista, sua amante, Ana Plácido, também esteve presa ali. A vista da janela dessa cela é um esplendor, o que deveria amenizar os momentos entediantes do isolamento. Devido a esse fato, a praça onde se encontra a cadeia tem o nome do famoso romance, de Camilo, Amor de Perdição. Uma estátua em mármore, chamada “Amores de Camilo”, foi doada pelo escultor de Almada, Francisco Simões, em comemoração aos 150 anos da publicação do romance.

Nesse seu famoso livro, Camilo cita a cadeia da cidade do Porto, na Introdução: “Folheando os livros de antigos assentamentos, no cartório das cadeias da Relação do Porto, li no das entradas dos presos desde 1803 a 1805, a folhas, 232, o seguinte: …” (Amor de Perdição, de Camilo Castelo Branco, p. 19).

O acervo do Centro Português de Fotografia contempla a história da fotografia portuguesa e internacional, apresentando elementos que ilustram a sua evolução. Existem exposições temporárias, um núcleo museológico permanente, onde é possível apreciar antigas máquinas e equipamentos fotográficos, uma loja e uma biblioteca especializada.

História, literatura, artes, tudo isso é possível encontrar no Centro Português de Fotografia, na cidade do Porto. Fica a dica!

Joalva Moraes é professora e jornalista

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *