APAE – Bullying: isso não tem a menor graça!

A Plataforma Anísio Teixeira, na condição de ser um espaço dialógico e, interessada em ampliar cada vez mais seus diálogos, coloca em pauta a Educação Inclusiva como essencial ao compromisso político e social no que tange o processo educativo.

Fig.1 Professores da APAE

Partindo dessa premisa, o “Rede em Movimento” abre espaço para a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) Salvador, que consiste numa instituição sem finalidades lucrativas. A APAE oferece apoio e assistência integral às pessoas com deficiência intelectual. Para além da atuação no processo educativo, ocorre a articulação com o Serviço Social com os projetos voltados para a família, contudo, o recorte aqui será para a atuação educacional.

Alguns de seus professores apresentam suas contribuições à Instituição no Estado da Bahia, como forma de apontar sua importância política e social do atendimento aos que necessitam da modalidade de Educação Especial. O foco apresentado pelos professores foi o projeto intitulado “Bullying: isso não tem a menor graça!”, com a participação direta dos estudantes. Assista ao vídeo com os professores: Adriana Silva, Emmerson Morva, Itana Lima e Teodora Coelho e confira!

Cabe afirmar que, a APAE pauta sua regimentação em consonância com os direitos humanos,em regulamentações e marcos pautados na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN/96), Declaração de Salamanca-1994, Resolução nº 04, de 02 de outubro de 2009, Conselho Nacional de Educação e na Resolução nº 79, de 15 de setembro de 2009 e do Conselho Estadual de Educação da Bahia.

Vale ressaltar que, a Declaração de Salamanca é reconhecido, em caráter mundial, como um documento importante à inclusão social e, está em consonância, com a Convenção de Direitos da Criança (1988) e da Declaração sobre Educação para Todos (EPT) de 1990. Todavia, documentos que balizam a Educação como um direito de todos.

Os profissionais da APAE apontam em suas falas a importância de valorizar o trabalho que é composto por múltiplos atores, bem como a importância dada ao empoderamento dos estudantes como sujeitos ativos no processo educacional como forma de possibilitar o crescimento pessoal e social para garantir o direito a essa parcela da população.

Reafirmar o direito à Educação Inclusiva é um dever de todos!

 

Produção do Rede em Movimento

Mônica de Oliveira Mota – Texto e produção

Gabriel Luan – Direção e Fotografia

Thiago Vinícius – Áudio e Edição