A2K

 

Fig. 1 Acesso Aberto

What’s up? You can guess it!

Acha que vamos aprender sobre algum composto químico? Mas se quiser pode dar algum palpite!

Não, não se trata de nenhum composto químico como parece ser! A sigla A2K vem do inglês, Access to Knowledge, cuja tradução é Acesso ao Conhecimento” que consiste em um movimento que surgiu em 2004, para expressar a necessidade da democratização do conhecimento centrada em princípios fundamentais como justiça, liberdade e desenvolvimento econômico.

O A2K valida e garante o acesso democrático do conhecimento, sobretudo, nas áreas da educação e da ciência provocando um fluxo dinâmico e global do empoderamento dos sujeitos.

Três foram os movimentos que marcaram iniciativas e políticas de fortalecimento para ações de legalização dos processos sobre o acesso aberto. Em 2002, aconteceu em Budapeste, o Budapest Open Access Initiative- BOAI que apresenta iniciativas do acesso aberto voltado para a literatura de pesquisa. Que traz a seguinte definição no corpo do seu documento:

Por “acesso aberto” a essa literatura, entendemos sua disponibilidade gratuita na Internet pública, permitindo que qualquer usuário leia, baixe, copie, distribua, imprima, pesquise ou vincule os textos completos desses artigos, rastreie-os para indexação, passá-los como dados para o software ou usá-los para qualquer outra finalidade legal, sem barreiras financeiras, legais ou técnicas que não sejam as inseparáveis de obter acesso à própria Internet. A única restrição à reprodução e distribuição, e o único papel dos direitos autorais nesse domínio, deve ser o de dar aos autores controle sobre a integridade de seu trabalho e o direito de serem reconhecidos e citados adequadamente.

Em 2003, ocorreu a Declaração da Bethesda sobre Publicação de Acesso Aberto que definiu o “acesso aberto“,(OA) como o termo para descrever iniciativas para tornar a informação mais ampla e facilmente disponível. A Declaração de Berlim sobre Acesso Aberto ao Conhecimento em Ciências e Humanidades ocorrida no mesmo ano, tem caráter internacional.

As ações do A2K respeita a legislação dos direitos autorais para o fortalecimento de todos! Mas quem são todos? Todas as pessoas interessadas pela promoção do conhecimento que vão desde educadores, educandos,pesquisadores,cientistas,desenvolvedores,bibliotecários, advogados em um só debate em uma só discussão ao redor do mundo:OPEN! Porque mais acessibilidade, mais abertura ao conhecimento,maior será o alcance de pessoas. De acordo com o documento intitulado Diretrizes para as Políticas de Desenvolvimento e Promoção do Acesso Aberto, a ampliação para a acessibilidade do conhecimento surgem novos influxos que geram o “desenvolvimento socioeconômico igualitário, para o diálogo intercultural, além de potencializar o surgimento de inovações”.

Oriundo da língua inglesa Open Education Source (OER), os Recursos Educacionais Abertos (REA) são outras alternativas para a difusão democrática do conhecimento.O termo foi cunhado pela UNESCO durante evento sobre softwares educacionais para o ensino superior : Commonwealth of Learning, “REA são materiais de ensino, aprendizado e pesquisa, fixados em qualquer suporte ou mídia, que estejam sob domínio público ou licenciados de maneira aberta, permitindo que sejam utilizados ou adaptados por terceiros.” (.BR, 2015, p.31.)

Outro movimento que traz em seu bojo e comunga de uma política aberta é o Free and Open Source Software – FOSS voltado para software livre e código aberto. O propósito maior desse movimento está na possibilidade de melhorar a dinâmica das pessoas por meio do compartilhamento de tecnologias abertas e fomentar conexões numa perspectiva cada vez mais global.

No Brasil, ocorre o Fórum Internacional de Software Livre- FISL que difunde essa mesma ideia. O FISL é considerado um dos mais importantes eventos de tecnologias livres da América Latina. O espaço é aberto aos debates, discussões, palestras e temáticas voltadas ao software livre.

                         Fig.2 Fórum Internacional Software Livre

E não termina por aqui! O Acesso Aberto tem como licenciamento alternativo o Creative Commons que consiste numa organização sem a finalidade lucrativa localizada em Mountain View, na Califórnia, fundada em 2001 por Larry Lessig que possibilita a compartilhamento e a utilização livre de todas e quaisquer formas de obras disponíveis ao público por meio de instrumentos legais e jurídicos estabelecidos.

Esse tipo de licença possibilita direitos autorais livres e fáceis de utilização permitindo ao público, compartilhamento e utilização de qualquer mídia mediante as seguintes possibilidades:

Fig.4 Licenças Creative Commons 

Elas permitem ao usuário a criação da sua licença para a autoria de suas produções. Visite o site oficial e veja as facilidades. As licenças Creative Commons são estruturadas em três camadas distintas que podem ser: Legível por máquinas, legível por humanos e texto legal. Em combinações, essas camadas se reestruturam nas licenças acima demonstradas.

Compartilhe essa ideia para ampliar o A2K!

Mônica de Oliveira Mota

Professora da Rede Pública do Estado da Bahia

REFERÊNCIAS:

ROSSINI, C. Entrevista concedida ao Panorama Setorial da Internet, 2014: in: .BR. Revista anual do Comitê Gestor da Internet no Brasil. São Paulo: Ed. NIC.BR, ed. 08, ano 6, 13 abr. 2015, p.32.

SANTOS, Andreia Inamorato dos Recursos Educacionais Abertos no Brasil : [livro eletrônico] : o estado da arte, desafios e perspectivas para o desenvolvimento e inovação / Andreia Inamorato dos Santos ; [tradução DB Comunicação]. –– São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, 2013.

SWAN, Alma Diretrizes para políticas de desenvolvimento e promoção do acesso aberto / Alma Swan. – Brasília : UNESCO Brasil, IBICT, 2016. 82 p. – (Série diretrizes para o acesso aberto). 

Publicações relacionadas

A2K

Nossos Colaboradores