Mangá na Educação, uma experiência multimodal estudantil

Olá pessoal! Tudo bem?

Vocês já ouviram falar na FEBRACE ? E em Mangás?

Pois é: a matéria da Rede em Movimento de hoje vai, através de um texto multimodal, tratar um pouco disso e de como eles se relacionam.

A FEBRACE é a Feira Brasileira de Ciências e Engenharia, que tem por objetivo estimular o desenvolvimento de projetos criativos e inovadores, bem como, aproximar as escolas públicas e privadas das Universidades, e os jovens das diferente culturas e de reconhecidos cientistas. A FEBRACE assume um papel de cunho social relevante, tendo em vista o incentivo a criatividade e ao pensamento crítico dos sujeitos da educação básica, por meio de projetos com fundamentação científica.

Na edição de 2018, a Feira de Ciência e Engenharia contou com a participação de alguns estudantes baianos, dentre eles os autores do “Desvendando as regiões da Bahia através da criação de mangás” , Lucas Max e Bianca Rodrigues. Sob a orientação dos professores Jorge Lúcio Rodrigues das Dores e Juciane Cerqueira de Souza, do Colégio Estadual Edvaldo Brandão Correia, os estudantes, inicialmente, realizaram aulas de campo em alguns municípios baianos, o que proporcionou a idealização e desenvolvimento do projeto.

Mangás construídos pelos estudantes Lucas Max  e Bianca Rodrigues do Colégio Estadual Edvaldo Bandão Correia.

Com o intuito de retratar as histórias das regiões da Bahia, que muitas vezes não aparecem nos livros didáticos, Lucas e Bianca fizeram uma coleção de mangás para serem distribuídos e utilizados como material paradidático na escola, de maneira que os demais estudantes tivessem acesso a informações sobre a parte histórica e também sobre algumas situações de degradação e desrespeito com o meio ambiente em nosso estado.

O primeiro mangá traz, por meio da ficção, os problemas ambientas na cidade de Camamu localizada na Costa do Dendê, enquanto o segundo aborda um pouco da histórico do garimpo no Parque Nacional da Chapada Diamantina.

 

Estudantes autores: Lucas Max e Bianca Rodrigues.

 

“A nossa história precisa ser contada para a novas gerações, para que a nossa cultura não se perca. Não podemos parar! Sigam , Estudem! O conhecimento é bom e muda a vida das pessoas”,  disse Lucas.

Assista, na sequência, à entrevista de Bianca Rodrigues e Lucas Max sobre esse trabalho valoroso com mangás. Estes estudantes foram premiados na FEBRACE 2018 com o  destaque ABRIC em Iniciação Científica.

Se ligue aí!

 

 

Publicações relacionadas

  • Photo(grafia) na escola21 de agosto de 2018 às 17:05 Photo(grafia) na escola (2)
    Fala comunidade, Será que a fotografia pode ser um recurso didático? A fotografia pode ser uma estratégia metodológica de ensino e […]
  • Ser Professor: Urânia Viana8 de setembro de 2015 às 18:47 Ser Professor: Urânia Viana (0)
    Fala, galerinha! O episódio em destaque de hoje, do quadro Ser professor, do programa Intervalo, fala de literatura e música. […]
  • O pensar antes25 de outubro de 2018 às 07:25 O pensar antes (0)
    Olá, pessoal! Tudo bem? Textos imagéticos e sonoros, o fazer e os discursos audiovisuais que, contemporaneamente, nos cercam - […]
  • Ser Professor: Flávio Márcio31 de agosto de 2015 às 15:42 Ser Professor: Flávio Márcio (0)
    Fala, galerinha! O episódio em destaque de hoje, do quadro Ser professor, do programa Intervalo, fala de poesia e história. Em 2003, o […]
  • Baianidades e educação no 17º Simpósio Internacional Processos Civilizadores30 de outubro de 2018 às 09:27 Baianidades e educação no 17º Simpósio Internacional Processos Civilizadores (0)
    Norbert Elias foi um sociólogo e filósofo alemão, que viveu entre os anos de 1897 e 1990. De família judaica, foi perseguido pelo regime […]
  • Que lei é essa?17 de maio de 2018 às 15:17 Que lei é essa? (2)
    130 anos depois da assinatura da Lei Áurea, como estamos de inclusão, reparação e representatividade?
Mangá na Educação, uma experiência multimodal estudantil

Nossos Colaboradores