Viva São João!

 

Guerra de espadas, no São João da cidade de Senhor do Bonfim/ Bahia. 2015. Foto: Peterson Azevedo

 

Olá, turma!

 

Quando pensamos no mês de junho, lembramos festas, alegrias, comidas típicas e forró, não é mesmo? Isso porque é nessa época que acontecem as festas juninas. Segundo historiadores, essas festividades dizem respeito às comemorações, principalmente religiosas, que ocorriam, e ainda ocorrem, no mês de junho, homenageando três santos católicos: Santo Antônio, São João, São Pedro. Existe também uma versão que afirma que os países católicos da Europa homenageavam apenas São João, por isso chamavam de festa joanina.

O certo é que os portugueses trouxeram essas festividades para o Brasil, ainda no período colonial, contando também com influências culturais de chineses, espanhóis e franceses. A dança marcada francesa, presente nos bailes nobres, influenciou as nossas típicas quadrilhas. Dos chineses, herdamos a tradição de soltar fogos de artifício, uma vez que a China teria iniciado a manipulação da pólvora para a fabricação de fogos. A dança de fitas, também incorporada às quadrilhas, era muito comum em Portugal e na Espanha.

Hoje, as festas juninas são comemoradas em todo o Brasil, mas é na região Nordeste que mantém grande expressão. Como acontecem no inverno, é motivo para os nordestinos agradecerem pela chegada da época das chuvas a essas regiões sempre castigadas pela seca. Por isso, as comemorações de junho trazem características de festas do interior, nos trajes, nas comidas, na música e, até mesmo, na linguagem.

Edição da autora utilizando layout livre disponível em https://comofazerum.net.br/convite-festa-junina-para-editar/

 

É comum encontrarmos convites de festas juninas com palavras como: arraiá, bão, ocê, mió… Isso porque se incorpora a fala característica das pessoas que vivem nas zonas rurais. É o que chamamos de regionalismo que corresponde ao falar de um grupo particular de elementos linguísticos, de uma determinada localização geográfica.  Isso ocorre devido a fatores históricos da cultura regional. O dialeto é uma de suas principais formas.

Então é isso, seja na capital ou no interior, comendo milho ou amendoim, tomando licor ou quentão, dançando baião ou forró. O importante é ser feliz e respeitar todas as formas de expressão. Feliz Festas Juninas, pessoal!

 

Referências:

https://www.infoescola.com/cultura/regionalismo/

https://www.suapesquisa.com/musicacultura/historia_festa_junina.htm

https://comofazerum.net.br/convite-festa-junina-para-editar/

 

 

Joalva Moraes é professora da Rede Púbica de Ensino da Bahia.

 

Publicações relacionadas

  • Photo(grafia) na escola21 de agosto de 2018 às 17:05 Photo(grafia) na escola (2)
    Fala comunidade, Será que a fotografia pode ser um recurso didático? A fotografia pode ser uma estratégia metodológica de ensino e […]
  • 10complica!10 de maio de 2018 às 07:00 10complica! (0)
    Olá, você saberia,de primeira, afirmar qual a língua mais fácil de se aprender? Você tem interesse de aprender um novo idioma? Qual fator […]
  • Ser Professor: Flávio Márcio31 de agosto de 2015 às 15:42 Ser Professor: Flávio Márcio (0)
    Fala, galerinha! O episódio em destaque de hoje, do quadro Ser professor, do programa Intervalo, fala de poesia e história. Em 2003, o […]
  • 27 de agosto de 2018 às 15:09 Mangá na Educação, uma experiência multimodal estudantil (0)
    Olá pessoal! Tudo bem? Vocês já ouviram falar na FEBRACE ? E em Mangás? Pois é: a matéria da Rede em Movimento de hoje vai, através […]
  • 15 de março de 2017 às 12:41 A Geografia e seus caminhos – contribuições na era da informação (0)
    Fala, galera! Beleza? Hoje, nosso papo é sobre os caminhos trilhados pela geografia contemporânea ou como alguns autores costumam […]
  • Ser ou não ser, professor?16 de outubro de 2018 às 18:43 Ser ou não ser, professor? (0)
    A palavra “Professor” tem origem no Latim, sendo uma derivação de Professus que significa “pessoa que declara em público” ou “aquele que […]
Viva São João!

Nossos Colaboradores

%d blogueiros gostam disto: