Campus Party promove workshop sobre como criar uma narrativa interativa para o RPG com métodos educacionais

Estudante-repórter: Gilana Ferreira*

No segundo dia da maior feira tecnológica do Brasil, que está acontecendo em Salvador (Arena Fonte Nova), foi realizada uma palestra sobre como criar uma narrativa interativa para o RPG com métodos educacionais, com o palestrante Luis Lima. O objetivo do workshop foi trabalhar com as questões educacionais nas práticas de diferentes jogos de RPG (Role-Playing Game. Em português, “Jogo de Interpretação de Papéis”).

Fig. 1: Luis Lima. Foto: Maicon Wilian

Esse workshop é um trabalho feito pelo grupo Matilha – Os Filhos de Gaia, que tem como objetivo fundamental trazer para a vida das pessoas o RPG como o grande jogo que ele é e com todos os benefícios. Na palestra, eles trabalharam métodos pedagógicos que podem ser desenvolvidos por um narrador enquanto ele cria as suas aventuras e campanhas.

Fig. 2: Palestrante fala sobre RPG e educação. Foto: Maicon Wilian

Fizemos uma entrevista com o palestrante e coordenador Luis Lima. Confira abaixo:

Blog da Rede: Como surgiu a ideia de relacionar o RPG com a educação?

Luis Lima: Na verdade, o RPG é uma ferramenta didática por si só. Como eu já pratico o RPG desde os meus 10 anos de idade, eu sempre vi nele pontos positivos par que pudéssemos usar na sala de aula. Foi um desafio apresentar isso na minha escola e na minha faculdade. Aí surgiu a ideia de vincular os benefícios do RPG com os da educação.

BDR: Como foi esse desafio?

LL: Assim, com o passar dos anos, o RPG foi criando mais espaço no cenário, mas tem sido difícil, pois tem muitas pessoas que têm um estigma muito forte sobre o RPG. Elas não sabem realmente como ele funciona e acabam criando histórias. Na verdade, não sabem os benefícios que ele traz para a educação.

BDR: Como nasceu sua paixão pelo RPG?

LL: Eu comecei a jogar RPG com dez anos, eu tenho 23. Descobri que é um jogo expansivo, onde eu não precisava ficar preso. Comecei a me interessar, desenvolver histórias e me apaixonei.

_________________

* Gilana Ferreira tem 15 anos, é estudante do Colégio Estadual de Aplicação Anísio Teixeira e integra a equipe da Cobertura Colaborativa Estudantil 2017.

Publicações relacionadas

  • Palestra na Campus Party mostra como melhorar o ensino de escolas e universidades12 de agosto de 2017 às 16:49 Palestra na Campus Party mostra como melhorar o ensino de escolas e universidades (0)
    Estudante-repórter: João Pedro Santos* No quarto dia da Campus Party, mais uma palestra interessante: "Recomendações para tornar escolas […]
  • A análise da tecnologia no nosso meio12 de agosto de 2017 às 12:02 A análise da tecnologia no nosso meio (0)
    Estudante-repórter: Lorena Souza* Em sua primeira visita a Campus Party, Gleide Bacelar, analista de sistemas, estava com uma […]
  • Tecnologia cheia de graça!12 de agosto de 2017 às 12:14 Tecnologia cheia de graça! (0)
    Estudante-repórter: Lorena Souza* João Pimenta, baiano e cheio de gingado, também esteve presente na Campus Party Bahia. Ele, que ainda […]
  • Rafael Lange, o Cellbit e a influência dos jogos.11 de agosto de 2017 às 17:54 Rafael Lange, o Cellbit e a influência dos jogos. (0)
    Estudante-repórter: Lorena Souza* Rafael Lange, mais conhecido como Cellbit, é um dos criadores de conteúdos para internet que bombam por […]
  • Empreendedorismo geek na Campus Party11 de agosto de 2017 às 16:03 Empreendedorismo geek na Campus Party (0)
    Estudante-repórter: João Pedro Santos* Na primeira Campus Party que acontece na Bahia, ocorreu uma palestra muito interessante e […]
  • Softwares livres na Campus Party12 de agosto de 2017 às 15:11 Softwares livres na Campus Party (0)
    Estudante-repórter: João Pedro Santos* No quarto dia da Campus Party de Salvador, foi realizada uma palestra sobre softwares livres, com […]
Campus Party promove workshop sobre como criar uma narrativa interativa para o RPG com métodos educacionais

Nossos Colaboradores

%d blogueiros gostam disto: