Alimento Seguro x Segurança Alimentar: ter o alimento pode não ser seguro, não tê-lo é inseguro

Olá pessoal,

Hoje nós vamos pensar sobre a diferença entre alimento seguro e segurança alimentar.

Segurança alimentar é um conceito relacionado à quantidade de alimento disponível para a população no sentido de que seja garantida a quantidade necessária para que não haja fome em um país, continente ou mundo.

brasil_celeiro

Fonte:https://pt.wikipedia.org/wiki/Agricultura_no_Brasil#/media/File:Brasil_celeiro.png

Algumas questões para refletirmos: Onde estes alimentos são plantados? E a proximidade de plantações de outras culturas? A contaminação de lençóis freáticos? A utilização de adubos “pseudoorgânicos” de animais alimentados com hormônios e outras fontes contaminantes até mesmo bioextratos?

Já o alimento seguro está relacionado a qualidade fitossanitária das frutas, verduras, produtos oriundos tanto de origem animal ou vegetal. No caso dos alimentos produzidos através do cultivo em lavouras, o alimento seguro deve ser cultivado dentro das diretrizes técnicas dos órgãos reguladores, no caso do nosso país, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA do Ministério da Saúde e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA.

Para que um alimento seja considerado seguro ele deve atender a dois critérios importantes que são:

a utilização da quantidade de princípios ativos de agrotóxicos dentro dos Limites Máximos de Resíduos – LMR para cada tipo determinado de cultura e a autorização dos mesmos com registro no país.

A segurança de alimentos relacionada ao consumo de hortifrutes é uma temática importante na medida em que a ingestão diária esteja acima dos valores regulamentados levantam-se os riscos à saúde pública devido à exposição dos mesmos na alimentação. O incentivo para o consumo saudável de alimentos tem sido maior em todas as idades dado o entendimento de que existe uma relação direta do surgimento de câncer associada ao consumo de agrotóxicos . Os alimentos produzidos mesmo sem a utilização de nenhum tipo de agrotóxico ou qualquer contaminante de elementos químicos e tóxicos a saúde atendendo aos protocolos técnicos desde o seu plantio, a colheita e pós colheita, ainda assim, existe a possibilidade de contaminação através dos recursos naturais como: solo e água.

Nessa perspectiva, os aspectos agroecológicos estão relacionados à Saúde Pública dos consumidores para o estabelecimento de hábitos alimentares saudáveis.

Algumas questões para refletirmos: Onde estes alimentos são plantados? E a proximidade de plantações de outras culturas? A contaminação de lençóis freáticos? A utilização de adubos “pseudoorgânicos” de animais alimentados com hormônios ou com outras fontes contaminantes?  Podem ser pulverizados com bioextratos?

O termo alimento seguro está relacionado a qualidade fitossanitária das frutas, verduras, produtos oriundos tanto de origem animal ou vegetal. No caso dos alimentos produzidos através do cultivo em lavouras, o alimento seguro deve ser cultivado dentro das diretrizes técnicas dos órgãos reguladores, no caso do nosso país, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA do Ministério da Saúde e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA.

Para que um alimento seja considerado seguro ele deve atender a dois critérios importantes que são:a utilização da quantidade de princípios ativos de agrotóxicos dentro dos Limites Máximos de Resíduos – LMR para cada tipo determinado de cultura e a autorização dos mesmos com registro no país.

A segurança de alimentos relacionada ao consumo de hortifrutes é uma temática importante na medida em que a ingestão diária esteja acima dos valores regulamentados levantam-se os riscos à saúde pública devido à exposição dos mesmos na alimentação. O incentivo para o consumo saudável de alimentos tem sido maior em todas as idades dado o entendimento de que existe uma relação direta do surgimento de câncer associada ao consumo de agrotóxicos . Os alimentos produzidos mesmo sem a utilização de nenhum tipo de agrotóxico ou qualquer contaminante de elementos químicos e tóxicos a saúde atendendo aos protocolos técnicos desde o seu plantio, a colheita e pós colheita, ainda assim, existe a possibilidade de contaminação através dos recursos naturais como: solo e água.

Essa reflexão está relacionada à garantia dos aspectos agroecológicos relacionados à Saúde Pública dos consumidores para o estabelecimento de hábitos alimentares saudáveis no cotidiano.

Ana Cristina Rangel

Professora de Biologia da Rede Pública de Ensino

Publicações relacionadas

  • 8 de dezembro de 2016 às 07:00 GREENpense (0)
      Hi there! “We will move ahead!” Essa foi a frase que ambientalistas de vários países apresentaram com o término da COP 22. Do […]
  • Alimentação saudável e o “corpo perfeito”14 de junho de 2018 às 15:00 Alimentação saudável e o “corpo perfeito” (1)
    Hoje em dia, dificilmente se encontra uma pessoa com a alimentação saudável e balanceada. Para que uma pessoa entenda como é a alimentação […]
  • 22 de maio de 2019 às 18:14 Maio Roxo: prevenção das doenças intestinais. (0)
    Você já ouviu falar em Doenças Inflamatórias Intestinais (DII)? As DII estão relacionadas a fatores imunológicos e hereditários, agravados […]
  • 15 de março de 2019 às 07:00 Como como? (0)
    - O quê? -Ah! Não diga que você não entendeu! - Sim! Eu como, tu comes, ele come, nós comemos…Um momento! Nós comemos o quê?  Já parou […]
  • Arte cinética ou o cinetismo2 de outubro de 2013 às 15:06 Arte cinética ou o cinetismo (1)
    Você já ouviu falar em Arte Cinética? A arte cinética ou o cinetismo refere-se a uma corrente na área das artes plásticas que elabora […]
  • 22 de março de 2019 às 08:00 Tem cheiro de água no ar, se ligue nessa ideia! (0)
    Você sabia que existem rios acima de nossas cabeças? Mas, o que são rios voadores? Como são formados? Qual o impacto da existência desses […]
Alimento Seguro x Segurança Alimentar: ter o alimento pode não ser seguro, não tê-lo é inseguro

Nossos Colaboradores