Copenhagen

Oi, turma! Tudo bem? O poema abaixo foi escrito por Vitor Moreira, um dos colaboradores do Blog do Professor Web. Ao acompanhar as notícias acerca da Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP15), realizada em Copenhague (Dinamarca), em 2009, ele se sentiu estimulado a escrever sobre o evento. O Brasil participou das discussões. No texto, Vitor considera a forma como a humanidade trata do planeta como um “erro” e uma “rebeldia”. Na sequência, enfatiza que uma sociedade pode mostrar toda a sua fúria quando o seu império é arruinado. A destruição do meio ambiente pode suscitar até guerra entre países. Ele também não deixa de fazer críticas à apropriação dos recursos naturais pelo homem, evidenciados nestes versos: “Transforma produção em cifras/Assim aumenta sua horta”. Vitor optou, no título, em colocar o nome da capital da Dinamarca em língua inglesa.

A Dinamarca é um país que tem muita preocupação em manter uma “sociedade verde”. A cultura do ciclismo é bem homologaolvida por lá, bem como a produção de energia eólica. De acordo com dados do The official Website of Denmark, Copenhague é a primeira capital neutra em carbono no mundo.

Copenhagen

Tanta rebeldia, acaso que um dia
Tudo certo como céu que desaba em cima
De teu sossego e leva tuas quimeras
Te mostrando o teu erro durante as eras

Tua metonímia tem devorado
Um mundo que, sem saber, explorado
Mostra a fúria de um descontrolado
Após ter seu império arruinado

Faces em fases de crise e vaidade
Demora a perceber em si que ri
Em meio a fogo, terremotos
Sangue, perdas e remorsos

Fora da tua normalidade
Aprende o que menos importa
Transforma produção em cifras
Assim aumenta sua horta

Acordar ao som do metal
Ver o cinza se tonalizar verde natural
Mesmo sabendo que não verá o final
De um ciclo que busca ser normal

#FicaADica: na primeira estrofe, o 2º verso do poema de Vitor traz o seguinte: “Tudo certo como céu que desaba em cima”. Às vezes, muita gente confunde a grafia da locução adverbial em destaque. Por fazer uma associação com o advérbio “embaixo”, as pessoas costumam grafar a locução como se fosse uma palavra só, assim: “emcima” ou “encima”. Mas, a locução adverbial é escrita como está no verso do poema. O que caracteriza uma locução é exatamente o fato de ser um conjunto de duas ou mais palavras de significado distinto. Até a próxima!