Qual educação ambiental queremos?

Como dizem por aí, junho é o mês de discutir meio ambiente, correto? Ué, mas com tanta gente passando fome, como alguém é capaz de se importar com os animais ou com as plantas?

A visão por etapas da resolução dos problemas sociais é uma marca em muitos discursos. Infelizmente, parece ser uma marca mais presente nos discurso de defensores de “uma única causa”, inclusive naquele(a)s que se autodeclaram defensore(a)s dos direitos humanos, pois cada um parece acreditar que sua causa é a mais importante e que deve ser privilegiada. É como existir algum homem do movimento negro capaz de olhar para uma mulher ou um homossexual e se sentir superior ou achar que devemos primeiro discutir as cotas pra depois discutir a violência contra mulheres e homossexuais. A dificuldade de unificar estas discussões em torno de uma única bandeira de luta e percebê-las como decorrentes de uma construção cultural mais ampla que alicerça princípios éticos, provavelmente, resulta do fato de muito(a)s defensore(a)s dos direitos de uns, ainda serem ostentadore(a)s de preconceitos contra outr@s e não admitem “essa igualdade toda para tod@s”…

Bom, a ideia de priorizar por importância e emergência até poderia fazer sentido se estivessemos falando de algum tipo escassez, como ocorre na administração, em que é possível falar em prioridade. Porém, quando falamos da capacidade humana de reflexão e quando coloca-se em pauta a questão dos princípios, soa estranho alguém dizer que devemos ter consideração ética por um grupo de cada vez. Talvez tenha sido por essa visão que a humanidade decidiu considerar primeiro os homens, depois pensamos nas mulheres, depois pensamos nas crianças, senis, homossexuais (não necessariamente nessa ordem)… Ah, e quando algum dia começarmos a pensar em animais e plantas terá que ser um de cada vez também, começando pelo cão que é “o melhor amigo do homem”, depois pensamos na amazônia, depois pensamos nas baleias e golfinhos e por aí vai. Vamos defendendo um a um até chegarmos a algum lugar coerente, pois não há coerência argumentativa alguma nessa visão por etapas. O que faria alguém acreditar que uma ética biocêntrica não resultaria em uma sociedade muito mais justa para todos os grupos que hoje sofrem perseguições e destruição cultural?

A educação ambiental acaba sendo uma via necessária para colocar em pauta esses debates, afinal, também não há consenso no modelo de ambientalismo a ser adotado pelos movimentos sociais. Alguns partem de uma premissa conservacionista em que devemos “cuidar” do ambiente com objetivo de satisfazer as necessidades humanas, ou seja, devemos conservar com o objetivo de uso para entrentenimento, trabalho, companhia, “ciência”…

Ao contrário dessa perspectiva, foi defendido por John Muir um cuidar verdadeiro do ambiente, visando atender as necessidades que são inerentes a cada espécie. Essa visão trouxe contribuições para justificar a criação de parques, impedir construção de barragens e, especialmente, para fundamentar a discussão de uma ética biocêntrica. Ou seja, não é esquecer uns para proteger outros, mas considerar as necessidades de qualquer espécie viva diante daquilo que é importante para ela.

Você já notou também que as pessoas passaram a discutir, cada vez mais, o meio ambiente vinculado a algum tipo de mercado? Cada vez se fala mais nos “recursos” naturais à disposição do homem e em homologaolvimento sustentável, enquanto as crianças são levadas para ver animais aprisionados nos zoológicos das cidades, rodeios, vaquejadas, circos sem nem ter a oportunidade de entender de onde vieram esses animais e as consequências para estes animais de terem que vivenciar essa condição. Bom, mas pra que se importar com a insensibilização do olhar da criança se temos que nos preocupar com a violência que é cometida por adultos que passaram a vida acreditando que sua pseudosuperioridade física ou mental lhe dava o direito de subjugar animais humanos e não humanos que considera mais fracos. Que ética queremos para nossa sociedade?

Bom, recomendo logo abaixo que assistam o vídeo de uma palestra e leiam um artigo da professora Sonia Felipe que, de maneira extremamente clara, coloca em pauta esse debate que continua a ser um grande tabu para a nossa sociedade.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=rJYQf9tseRs&feature=player_embedded]

Abraços e até breve.

Fonte: Diálogos Libertários

Publicações relacionadas

  • Agradecimento a quem mais tem interesse em uma educação de qualidade9 de dezembro de 2013 às 17:00 Agradecimento a quem mais tem interesse em uma educação de qualidade (0)
    A cada nova oportunidade de conviver com estudantes e professore(a)s das escolas públicas baianas, a gente percebe o potencial dessa(e)s […]
  • Novembro Negro e Reparação21 de novembro de 2012 às 09:41 Novembro Negro e Reparação (0)
     Olá, pessoal! Mês de tratar da importância da pessoa afro-descendente. É quando mais se refere às questões como: cotas, reparação, […]
  • Pluralidade Cultural no Enem21 de setembro de 2016 às 14:00 Pluralidade Cultural no Enem (0)
    Olá pessoal! A prova do Enem está se aproximando, e nesse momento, é hora de pensar nos temas que possivelmente vão estar presentes na […]
  • Consumo Consciente18 de setembro de 2012 às 15:00 Consumo Consciente (0)
    Olá,  turma! Hoje trazemos uma super dica sobre Consumo Consciente. Sabemos que consumir é necessário, mas para evitar os impactos […]
  • 9 de junho de 2017 às 14:25 O baianês nosso de todo dia (0)
    Colé de mermo! Tá tudo massa? Hoje, a gente vai trocar uma ideia sobre o baianês. Você tá ligado? Não precisa ficar agoniado, não. É de […]
  • 26 de maio de 2017 às 14:55 Duas faces de uma mesma prática (0)
    “A leitura é muito mais do que decifrar palavras. Quem quiser parar pra ver pode até se surpreender: vai ler nas folhas do chão, se é […]
Qual educação ambiental queremos?

Nossos Colaboradores

%d blogueiros gostam disto: