Saudades… Ubiratan Castro

Inesquecível, prosador, visionário, bem-humorado, um intelectual rebuscado, Historiador de marca maior e sobretudo um ser humano afetivo, esses são poucos adjetivos que podem descrever o nosso querido Ubiratan Castro, carinhosamente chamado de “Bira Gordo”, que faleceu na manhã desta quinta-feira (03/01).

Bira inspirou uma geração de historiadores ao valorizar a história da Bahia, escravidão e africanidades. Com sua retórica ele nos transportava no tempo, e dessa forma cada aula, seminário, simpósio ou palestra era um mergulho na imensidão da historiográfica regional.

Deixamos aqui os nossos sinceros agradecimentos ao professor, pelo legado cultural deixado para a sociedade baiana, e por mostrar que o historiador deve ser acima de tudo humano, se importar com as perseguições, discriminações, contradições e batalhar por um mundo onde pelo menos o direito de sermos diversos seja assegurado e respeitado .

PW-Ubiratan_castro

Um pouco mais sobre o professor Bira

Ubiratan Castro era doutor em História pela Université Paris IV-Sorbonne, mestre em história pela Université Paris X-Nanterre, licenciado em História pela Universidade Católica do Salvador e bacharel em Direito pela Universidade Federal da Bahia. Era também membro da Academia de Letras da Bahia, onde ocupava a cadeira 33.

O professor foi presidente do Conselho para o Desenvolvimento das Comunidades Negras de Salvador e trabalhou de 2003 até 2006 com o ministro da Cultura, Gilberto Gil, dirigindo a Fundação Cultural Palmares.

O historiador pertencia ao quadro de professores da Universidade Federal da Bahia (UFBA), no Departamento de História da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas e foi um dos fundadores do Centro de Estudos Afro Orientais (Ceao). Atualmente, ele estava afastado da universidade para assumir o cargo de diretor da Fundação

Ubiratan escreveu os livros “A Guerra da Bahia”, “Salvador Era Assim – Memórias da Cidade e Sete Histórias de Negro”. Lançou em 2009, na cidade de Cachoeira o livro de contos “Histórias de Negro”.

Fonte: UFBA