Cine PW: "Tempos Modernos" e "O Grande Ditador"

Olá Pessoal,

A partir de hoje temos um encontro marcado toda quarta-feira para falarmos da 7ª arte.

Toda Quarta serão indicados filmes que podem ser utilizados na sala de aula e nos estudos, afinal nada melhor que estudar e entreter ao mesmo tempo!

Além dos filmes indicados pela nossa equipe, estudantes e professores podem também sugerir.

Para começar a sessão Cine PW com o pé direito, indicamos o clássico dos clássicos: Tempos Modernos e O Grande Ditador produzido pelo inigualável Charlie Chaplin:

[youtube=http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=GLeDdzGUTq0]

Modern Times (Tempos Modernos) é um filme produzido em 1936, nesse longa metragem o famoso personagem “O Vagabundo” (The Tramp) tenta sobreviver em meio ao mundo moderno e industrializado. É considerado uma forte crítica ao capitalismo, militarismo, liberalismo, conservadorismo, stalinismo, fascismo, nazismo e imperialismo, bem como uma crítica aos maus tratos que os empregados passaram a receber depois da Revolução Industrial.

Nesse filme Chaplin quis passar uma mensagem social. Cada cena é trabalhada para que a mensagem chegue verdadeiramente tal qual seja. E nada parece escapar: máquina tomando o lugar dos homens, as facilidades que levam a criminalidade, a escravidão. O amor também surge, mas surge quase paternal: o de um vagabundo por uma menina de rua.

Tempos Modernos é ao mesmo tempo comédia, mesmo tempo drama e romance.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Tempos_Modernos

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=zroWIN-lS8E]

The Great Dictator (O Grande Ditador) é um filme produzido em 1940, do gênero comédia dramática e sátira crítica, dirigido por Charles Chaplin.

Foi lançado em 15 de outubro de 1940 e satiriza o nazismo, o fascismo e seus maiores propagadores, Adolf Hitler e Benito Mussolini. Foi o primeiro filme falado de Chaplin também. Na ocasião de seu lançamento, os Estados Unidos ainda não tinham entrado na Segunda Guerra Mundial.

Ao final do filme, o personagem de Chaplin dá um belo discurso falando de direitos humanos no contexto da Segunda Guerra Mundial, mas que ainda soa tão contemporâneo.

O discurso:

“Sinto muito, mas não pretendo ser um imperador. Não é esse o meu ofício. Não pretendo governar ou conquistar quem quer que seja. Gostaria de ajudar – se possível – judeus, o gentio… negros… brancos.

Todos nós desejamos ajudar uns aos outros. Os seres humanos são assim. Desejamos viver para a felicidade do próximo – não para o seu infortúnio. Por que havemos de odiar e desprezar uns aos outros? Neste mundo há espaço para todos. A terra, que é boa e rica, pode prover a todas as nossas necessidades.

O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém nos extraviamos. A cobiça envenenou a alma dos homens… levantou no mundo as muralhas do ódio… e tem-nos feito marchar a passo de ganso para a miséria e os morticínios. Criamos a época da velocidade, mas nos sentimos enclausurados dentro dela. A máquina, que produz abundância, tem-nos deixado em penúria. Nossos conhecimentos fizeram-nos céticos; nossa inteligência, empedernidos e cruéis. Pensamos em demasia e sentimos bem pouco. Mais do que de máquinas, precisamos de humanidade. Mais do que de inteligência, precisamos de afeição e doçura. Sem essas virtudes, a vida será de violência e tudo será perdido.

A aviação e o rádio aproximaram-nos muito mais. A própria natureza dessas coisas é um apelo eloqüente à bondade do homem… um apelo à fraternidade universal… à união de todos nós. Neste mesmo instante a minha voz chega a milhares de pessoas pelo mundo afora… milhões de desesperados, homens, mulheres, criancinhas… vítimas de um sistema que tortura seres humanos e encarcera inocentes. Aos que me podem ouvir eu digo: “Não desespereis! A desgraça que tem caído sobre nós não é mais do que o produto da cobiça em agonia… da amargura de homens que temem o avanço do progresso humano. Os homens que odeiam desaparecerão, os ditadores sucumbem e o poder que do povo arrebataram há de retornar ao povo. E assim, enquanto morrem homens, a liberdade nunca perecerá.

Soldados! Não vos entregueis a esses brutais… que vos desprezam… que vos escravizam… que arregimentam as vossas vidas… que ditam os vossos atos, as vossas idéias e os vossos sentimentos! Que vos fazem marchar no mesmo passo, que vos submetem a uma alimentação regrada, que vos tratam como gado humano e que vos utilizam como bucha de canhão! Não sois máquina! Homens é que sois! E com o amor da humanidade em vossas almas! Não odieis! Só odeiam os que não se fazem amar… os que não se fazem amar e os inumanos!

Soldados! Não batalheis pela escravidão! Lutai pela liberdade! No décimo sétimo capítulo de São Lucas está escrito que o Reino de Deus está dentro do homem – não de um só homem ou grupo de homens, mas dos homens todos! Está em vós! Vós, o povo, tendes o poder – o poder de criar máquinas. O poder de criar felicidade! Vós, o povo, tendes o poder de tornar esta vida livre e bela… de faze-la uma aventura maravilhosa. Portanto – em nome da democracia – usemos desse poder, unamo-nos todos nós. Lutemos por um mundo novo… um mundo bom que a todos assegure o ensejo de trabalho, que dê futuro à mocidade e segurança à velhice.

É pela promessa de tais coisas que desalmados têm subido ao poder. Mas, só mistificam! Não cumprem o que prometem. Jamais o cumprirão! Os ditadores liberam-se, porém escravizam o povo. Lutemos agora para libertar o mundo, abater as fronteiras nacionais, dar fim à ganância, ao ódio e à prepotência. Lutemos por um mundo de razão, um mundo em que a ciência e o progresso conduzam à ventura de todos nós. Soldados, em nome da democracia, unamo-nos! ( segue o estrondoso aplauso da multidão ).

Então, dirige-se a Hannah :

Hannah, estás me ouvindo? Onde te encontrares, levanta os olhos! Vês, Hannah? O sol vai rompendo as nuvens que se dispersam! Estamos saindo da treva para a luz! Vamos entrando num mundo novo – um mundo melhor, em que os homens estarão acima da cobiça, do ódio e da brutalidade. Ergue os olhos, Hannah! A alma do homem ganhou asas e afinal começa a voar. Voa para o arco-íris, para a luz da esperança. Ergue os olhos, Hannah! Ergue os olhos!.”

Publicações relacionadas

  • Cine PW: “Tempos Modernos” e “O Grande Ditador”11 de abril de 2012 às 15:46 Cine PW: “Tempos Modernos” e “O Grande Ditador” (0)
    Olá Pessoal, A partir de hoje temos um encontro marcado toda quarta-feira para falarmos da 7ª arte. Toda Quarta serão indicados filmes que […]
  • Cultura Indígena Projetada26 de julho de 2017 às 15:07 Cultura Indígena Projetada (0)
    Uma sala de projeção, escura. Sinal de que uma sessão de cinema está prestes a começar. Contudo, não se trata de uma sessão comum, bem que […]
  • RACISMO SECRETO8 de janeiro de 2013 às 13:00 RACISMO SECRETO (0)
    Salve, pessoal! Num passado distante, os(as) negros(as) aqui chegaram involuntariamente sob o chicote e maus tratos de seus donos e […]
  • Cine PW: "O Circo"27 de março de 2013 às 13:39 Cine PW: "O Circo" (1)
    Respeitável Público! Inspirado pelo Dia do Circo e Mundial do Teatro, o Cine PW apresenta o “O Circo”, filme protagonizado, escrito, […]
  • Cine PW: “O Circo”27 de março de 2013 às 13:39 Cine PW: “O Circo” (1)
    Respeitável Público! Inspirado pelo Dia do Circo e Mundial do Teatro, o Cine PW apresenta o “O Circo”, filme protagonizado, escrito, […]
  • Dia Mundial do Meio Ambiente – “Pensar. Comer. Conservar”7 de junho de 2013 às 15:48 Dia Mundial do Meio Ambiente – “Pensar. Comer. Conservar” (0)
    Olá, pessoal! A ONU (Organização das Nações Unidas) realiza em 2013 a 41ª edição do Dia Mundial do meio Ambiente que traz para este ano a […]
Cine PW: "Tempos Modernos" e "O Grande Ditador"

Nossos Colaboradores