Começa nesta segunda a Mostra “Cinema e realidade africana”

A Mostra de Filmes e Debates “Cinema e realidade africana” começa a partir desta segunda-feira (28), às 17h, no Auditório Agostinho da Silva (CEAO). Confira a programação do evento:

Programação da Mostra  “Cinema e realidade africana”

28.11 – Segunda-feira

Lê Wazzdu polygame de Oumanum Ganda – (Niger) 38’.
Um crente muçulmano, de volta da Meca, recebe o título de El Hadj. Mas ele não tem escrúpulos em cobiçar a jovem Satou, prometida a Garba. Só resta a Garba, furioso, deixar a aldeia para ir à cidade. Mas um drama mais grave surge: a segunda esposa de Hadj, Gaika, não aceita a intrusa e, para impedir o casamento, decide matá-la na véspera. O filme conquistou o Prêmio da Crítica Internacional no festival de Dinard .

Oxalá Cresçam Pitangas de Ondjanki e Kiluanje Liberdade (Angola/ Portugal) 57’.
Revela a realidade por detrás da permanente fantasia luandense. Dez vozes vão expondo com ritmo, dignidade e coerência, um espaço ocupado por várias gerações dinâmicas sociais complexas. Luanda ainda não havia sido filmada sob esta perspectiva realista e humana: conflitos entre a população e a esfera política, a proliferação do setor informal, as desilusões e as aspirações, o questionamento do espaço urbano e do futuro de uma Angola em acelerado crescimento. Dez personagens falam também das suas vidas, do seu modo de agir sobre a realidade, da música que não pode parar. Aparece uma Luanda onde a imaginação e a felicidade defrontam as manobras de sobrevivência. Onde a língua é mexida para se adaptar às necessidades criativas de tantas pessoas e tantas linguagens. Este é um filme sobre uma Luanda que recria constante mente a sua identidade: os dias, as noites e todos os ritmos da cidade que não sabe adormecer.

Debate com:
Sheik Armed
DJ Sankofa (Gana)
Doutorando Orlando Santos (Angola)
Coordenação da mesa: Prof. Dr. Muniz Ferreira

29.11 –  Terça-feira

África sobre o Sena de Mamadou Sarr e Paulin Vieyra (França/Senegal) 21’.
Artistas e estudantes em Paris procuram por sua cultura.

Os Príncipes Negros de Saint-Germain-Des-Prés de Ben Diogaye Beye  (França/Senegal), 14’.
Jovens brancas procuram o exotismo de rapazes elegantes e pretensiosos.

Nha Fala / A minha voz  de Flora Gomes (Guiné Bissau)
Antes de partir para a Europa para estudar, Vita, uma jovem africana, promete à mãe que jamais cantará, pois uma maldição que se abate sobre a sua família determina que qualquer mulher que ouse cantar, morrerá amaldiçoada. Em Paris, Vita conhece Pierre, um jovem e talentoso músico por quem se apaixona. Transbordando alegria, Vita liberta-se finalmente e canta, deixando-se convencer por Pierre a gravar um disco, que se torna um sucesso de vendas imediato. Temendo que a mãe descubra que quebrou a promessa, Vita decide voltar a casa… para morrer! Com a ajuda de Pierre e Yano, Vita encena a sua própria morte e ressurreição, para mostrar à família e amigos que tudo é possível, se tiverem a coragem de ousar

Debate com:
Prof. Dr. Mahomed Bamba (Costa do Marfim)
Augusto Cardoso (Guiné Bissau)
Prof. Dr. Cláudio Furtado (Cabo Verde)
Coordenação da mesa: Prof. Dr. Cláudio Pereira

30.11 – Quarta-feira

Paris É Bonita de Inoussa Ousseini (França) 23’
Um jovem africano ao chegar à França é enganado e destituído de seus bens em menos de 24 horas.

Kuxa Kanema de Margarida Soares  (Portugal –Moçambique).
A primeira ação cultural do governo moçambicano, logo após a independência, em 1975, foi a criação do Instituto Nacional de Cinema (INC). O novo presidente, Samora Machel, tinha especial consciência do poder da imagem e de como utilizá-la para construir uma nova nação socialista. «Kuxa Kanema» quer dizer o nascimento do cinema e o seu objectivo era: filmar a imagem do povo e devolvê-la ao povo. Mas hoje a República Popular de Moçambique passou a ser, simplesmente, República de Moçambique. Da grande empresa que foi o INC não sobra quase nada. Destruído por um fogo em 1991, só restam do edifício as salas e os corredores abandonados, onde alguns funcionários esperam pacientemente a reforma. Num anexo, apodrecem, esquecidas, as imagens que são o único testemunho dos onze primeiros anos de independência, os anos da revolução socialista».

Debate com:
Doutorando Carlos Lito (Moçambique)
Detoubab Ndiaye  (Senegal)
Doutorando Simão Jaime (Moçambique)
Coordenação da mesa: Profa. Dra. Joceneide Cunha

Mais informações: clpereira@uol.com.br

Fonte:http://www.ceao.ufba.br/2007/news.php?cod=302