Estudantes apresentam experiências na I Feira de Ciência e Tecnologia

A I Feira de Ciências e Tecnologia: a pesquisa científica homologaolvendo conhecimento, realizada pelo Centro Territorial de Educação Profissional da Região Metropolitana de Salvador (CETEP da RMS), em Camaçari, mudou a rotina do Centro nos últimos dias 28 e 29 de maio. Experiências até então homologaolvidas nos laboratórios de química, a exemplo da produção de sabão, foram apresentadas à sociedade, numa demonstração de como os futuros técnicos estão sendo preparados para adentrar no mundo do trabalho.
A proposta pedagógica dos cursos técnicos da Educação Profissional da Bahia trabalha com a formação integral, articulando conteúdos de educação básica e educação profissional. Neste caso, a Feira trabalha as bases científicas da tecnologia. Deste modo, os estudantes não apenas aprendem a “fazer”, mas por que “fazer”. Com tais conhecimentos são capazes de compreender e atuar em situações distintas e não apenas seguir prescrições, superando o “adestramento” que sempre caracterizou a educação profissional tradicional.
Participaram da atividade, estudantes dos cursos em Eletromecânica, Controle Ambiental, Petroquímica, Química e Segurança do Trabalho. Divididos em grupos, expuseram, em estandes, o passo a passo das etapas da reciclagem de papéis, o processamento das sementes para obtenção de biocombustível, as formas de obtenção de energia eletromagnética e os tipos de equipamentos de proteção individual utilizados na área de segurança. Também ministraram oficinas para os visitantes e à própria comunidade estudantil.
Como forma de interagir com outros estudantes da Rede Estadual de Educação Profissional, a I Feira Ciências e Tecnologia do CETEP da RMS contou com a participação de estudantes do curso técnico em Segurança do Trabalho, do Centro Estadual de Educação Profissional em Serviços e Processos Industriais Irmã Dulce, instalado em Simões Filho.
A diretora do CEEP da RMS, Nancy Bulcão, disse que a Feira de Ciência e Tecnologia foi uma ação pedagógica estratégica. Além de demonstrar à sociedade um pouco das atividades homologaolvidas pelos estudantes e promover a integração dos mesmos com diferentes atores sociais, a Feira cumpre um papel importantíssimo no sentido de promover o amadurecimento dos futuros técnicos. “Tudo isso aqui é uma resposta à sociedade dos investimentos feitos pelo Estado na qualificação e formação profissional da nossa juventude que fica ainda mais motivada com esse tipo de experiência”, ressalta.