Por que publicar em licença aberta?

Quanto custa um livro, em média?

Muitas vezes, mais do que muitos podem pagar. E às vezes mais do que alguns gostariam de pagar. Aliás, um estudo recente trata, também, desse aspecto econômico da chamada (por alguns) “pirataria”.

Uma alternativa, ainda que não a melhor opção para todos os autores, é publicar sob uma licença aberta, que mantém os direitos autorais, mas autoriza de antemão algumas medidas, como por exemplo o uso, a cópia e o compartilhamento.

Ao invés de “todos os direitos reservados”, são “alguns direitos reservados”.

O livro Direitos Autorais, da Editora FGV, é um exemplo. Disclaimer: sou co-autor, juntamente com o professor doutor, Sérgio Branco, da FGV.

Toda e qualquer pessoa pode baixar o livro inteiro, gratuita e legalmente. Além disso, todos podem, é claro, ler, copiar (integralmente) e compartilhar o livro com amigos; desde que não haja finalidade comercial. Ainda, quem quiser, pode atualizar, traduzir ou fazer modificações no livro – desde que respeitem os termos da licença.

Isso mesmo! Pode copiar tudo, pode baixar, pode modificar, pode compartilhar em P2P via torrent. Tudo legalmente – desde que respeitada a licença.

E que licença é essa? É a licença Atribuição – Uso não comercial – Compartilhamento pela mesma licença, do Creative Commons. Veja o que a licença diz.

Por que resolvi, junto com meu co-autor, fazer isso? Porque a Editora FGV aceitou?

Entendo, assim como meu co-autor, que conhecimento deve ser acessível por um maior número possível de pessoas. Ainda mais num país tão desigual sócio e economicamente. Mas sempre respeitando os direitos autorais.

A Editora FGV aceitou a licença Creative Commons porque, diferentemente de muitos livros, resolveu colocar um preço acessível: R$ 22. Ou seja; se o leitor for fazer a cópia, pagar pelo xerox, já sairá pelo menos o mesmo preço do livro. Cada página sairia R$ 0,15.

Com o livro inteiro na Internet (Google Books) o leitor pode fazer um “test-drive” com o livro. Se gostar, pode comprá-lo. Se não gostar, simplesmente não o compra.

Claro que alguns irão ler direto no computador, sem pagar pelo livro.

Os que decidirem comprar o livro, estarão incentivando os autores a produzir mais (será?), além de atestar a qualidade do mesmo. Além disso, estarão apoiando o negócio e o risco incorrido pela Editora FGV.

E ainda receberão, pelo mesmo preço das cópias de folhas soltas em preto e branco e de má qualidade, um livro com capa, de boa qualidade, e que terá, depois de lido, seu espaço na prateleira.

É uma alternativa ao modelo tradicional. Claro que o preço deve ser suficientemente acessível para que o modelo fucione bem. Eventualmente, a consequência pode ser: mais leitores (ainda que sem pagar) e, provavelmente, mais vendas, devido à divulgação e ao preço mais acessível.

Sem contar que é um modelo que respeita os autores, as editoras e os direitos autorais. Além de ser mais simpático com os leitores e com a sociedade.
Fonte: http://pedroparanagua.net/2011/03/15/por-que-publicar-em-licenca-aberta/

17/03/2011 as 15:35